Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia indicia mais uma médica por suspeita de homicídio no Hospital Evangélico de Curitiba

Ao todo, cinco médicos e uma enfermeira foram indiciados por homicídio e formação de quadrilha

Por Da Redação 5 mar 2013, 21h03

A Polícia Civil do Paraná indiciou nesta terça-feira a médica Krissia Kamile Singer Walbach por homicídio qualificado e formação de quadrilha. Ela é a sexta suspeita de ter provocado a morte de pacientes internados na UTI do Hospital Universitário Evangélico. Outros quatro médicos e uma enfermeira já haviam sido indiciados.

A médica estava nos Estados Unidos e não trabalha mais no hospital. Ela se apresentou na segunda-feira (4) à polícia e permanece solta. Isso porque o relatório final do caso foi já havia sido concluído e entregue pela polícia ao Ministério Público, a quem caberá, de agora em diante, pedir ou não a prisão temporária de Krissia.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil, Marcus Michelotto, em entrevista dada à imprensa nesta terça-feira, a polícia não deve mais comentar o assunto nos próximos dias. Segundo ele, as provas conseguidas pela polícia podem causar comoção e até revolta contra o Hospital Evangélico.

Quebra de sigilo – Segundo Michelotto, o pedido do afastamento da delegada do Núcleo de Repressão de Crimes Contra a Saúde (Nucrisa), Paula Brisola, feito pelo hospital, foi “lamentável”. “Em um momento de crise como esse, uma direção responsável teria procurado se unir à Polícia Civil e ao Ministério Público para sanear os problemas que existem dentro do hospital”, disse. De acordo com o delegado, o Hospital Evangélico terceiriza praticamente toda a estrutura do seu prédio e “não tem condições de controlar nem as suas dependências.”

Leia também:

Polícia trocou “raciocinar” por “assassinar” em inquérito que acusa médica suspeita de mortes em UTI

Continua após a publicidade

Defesa pede habeas corpus para médica suspeita de mortes em UTI

“Tem alguns doentes que estão mortos, então vai desligando as coisas”, ordem dada pela médica de Curitiba em gravação

Inquérito sobre mortes em Curitiba reforça a hipótese de intenção deliberada de matar

Sindicato defende delegada do caso Evangélico

Delegada corre o risco de ser afastada do caso de Curitiba

Mais três médicos são presos por suspeita de envolvimento em mortes em UTI

Médica presa em Curitiba alega inocência em carta

Continua após a publicidade
Publicidade