Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pesquisa testa o uso de derivados do ecstasy para combater o câncer

Colaboração entre universidades da Austrália e do Reino Unido quer aumentar efeito da droga contra as células cancerosas

Por Da Redação 6 out 2011, 14h00

Dois pesquisadores da Universidade de Western Australia, em colaboração com o professor John Gordon, da Universidade de Birmingham, querem aumentar o efeito da metilenodioximetanfetamina (MDMA, mais conhecida como a droga ecstasy) no tratamento de certos tipos de câncer no sangue, como mieloma, leucemia e linfomas.

Saiba mais

ECSTASY

A metilenodeximetanfetamina (MDMA), nome ‘oficial’ do ecstasy, foi sintetizada com propósitos médicos, em 1912, pela companhia farmacêutica Merck. Como a MDMA tem uma estrutura que pode dar origem a compostos similares, mas com propriedades diferentes, o principal interesse da empresa era em outro análogo da substância. Por isso, permaneceu esquecida por muitos anos, até começar a ser usada recreacionalmente nos Estados Unidos devido a seu efeito psicotrópico. No final dos anos 80, se tornou elemento da cultura da música eletrônica. A esta altura, já havia sido considerada uma droga ilegal em dezenas de países. Pesquisas recentes têm usado a MDMA para fins terapêuticos. A droga, porém, tem diversos efeitos prejudiciais à saúde e pode, em alguns casos, levar à morte.

Em agosto deste ano, Gordon publicou um estudo sobre as propriedades anticancerígenas de uma forma modificada de ecstasy. Agora, o objetivo dos pesquisadores é aumentar o efeito tóxico da droga sobre as células cancerosas e remover sua ação psicotrópica.

Segundo Matthew Piggot, professor da Universidade de Western Australia, a estrutura do MDMA pode ser refeita para construir compostos similares à MDMA, mas com propriedades terapêuticas diversas.

Tentativa e erro – A colaboração entre as equipes das duas universidades começou quando Piggot e Gandy estudavam o uso do ecstasy no tratamento da doença de Alzheimer. Quando ficaram sabendo do estudo de Gordon, entraram em contato com ele para mostrar seus resultados com compostos derivados da MDMA. “Ele ficou bastante interessado em usá-los em suas pesquisas”, disse Piggot.

Por enquanto, os testes estão sendo feitos em amostras de células do sangue, na base da “tentativa e erro”, segundo Piggot. “Dos seis componentes inicialmente testados, a maioria não apresentava nenhum efeito. Mas um deles mostrou ser dez vezes mais potente e serviu de fundamento para a primeira leva de compostos similares. Atualmente estamos criando compostos 100 vezes mais potentes.”

A próxima fase da pesquisa será o teste das substâncias em animais. Em entrevista por email ao site de VEJA, John Gordon, que é coordenador da Faculdade de Medicina da Universidade de Brimingham, disse que “se tudo correr bem, levará de 5 a 10 anos para usar a droga em pacientes.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês