Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pesquisa sugere que beber leite na adolescência aumenta risco de câncer de próstata

Homens que consumiam a bebida mais de uma vez ao dia quando jovens aumentaram em três vezes as chances de desenvolver a doença

Por Da Redação - 3 jan 2012, 15h19

Segundo uma pesquisa feita na Universidade da Islândia, homens que bebem mais leite na adolescência têm três vezes mais risco de desenvolver câncer de próstata avançado quando adultos. O estudo foi publicado no periódico American Journal of Epidemiology.

Opinião do especialista

Wilson Bachega Junior

cirurgião oncologista do Hospital A.C. Camargo, de São Paulo

Publicidade

“Os dados do estudo são significativos e fornecem uma pista conhecermos melhor o câncer de próstata e seus fatores de risco.

Porém, é preciso cautela na análise da pesquisa, já que vários fatores podem ter influenciado os resultados. Por exemplo, a Islândia, onde foi feito o estudo, é um país de formação vulcânica, e não sabemos se há uma contaminação no solo das pastagens das vacas produtoras de leite. Além disso, no período em que esses homens eram jovens, a higiene do leite era questionável.

O leite é um alimento muito importante para o desenvolvimento das pessoas, então esses evidências não são suficientes para que os homens deixem de consumir a bebida para prevenir a doença.”

Ao longo de 24 anos, foram acompanhados 8.894 homens que haviam nascido entre 1907 e 1925. Nesse período, 1.123 homens desenvolveram câncer de próstata, sendo que 371 eram casos avançados da doença. O estudo observou que homens que se lembravam de beber leite uma ou mais vezes por dia quando adolescentes tinham três vezes mais chances de desenvolver câncer de próstata avançado do que aqueles que diziam consumir a bebida menos de uma vez ao dia.

Publicidade

Além disso, aqueles que viveram em áreas rurais nos primeiros 20 anos de vida mostraram ter uma chance 29% maior de ter a doença do que os homens que viviam na capital, onde o leite era escasso na época. Homens do campo que haviam nascido antes de 1920 apresentaram chances 64% maiores do que homens da cidade.

“Acreditamos que nossos dados fornecem evidências importantes para o papel da adolescência como um período sensível para o desenvolvimento do câncer de próstata”, afirmou Johanna Torfadottir, coordenadora do estudo, à agência de notícias Reuters. Os pesquisadores ressaltam, porém, que esses dados não são suficientes para que os adolescentes deixem de consumir a bebida, e que mais estudos são necessários para confirmar os resultados.

Consumir ou não leite? – Apesar dos resultados do estudo, para o médico urologista César Câmara, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, as pessoas não devem limitar o consumo de leite para prevenir o câncer de próstata, já que fatores como estilo de vida e outros hábitos alimentares podem ter interferido nos dados. “A partir dessa pesquisa, provavelmente outras serão desenvolvidas para que essa relação entre o leite e a doença seja melhor compreendida”, afirma.

Segundo Câmara, o principal fator de risco para o câncer de próstata é a existência de casos da doença na família. “Estilo de vida saudável não só quando adulto, mais durante toda a vida, inclusive na adolescência, como observou o estudo, pode interferir fortemente no risco de doenças ao longo da vida”, diz o médico.

Publicidade