Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pesquisa aponta duas vezes mais mortes por malária do que o estimado pela OMS

Relatório concluiu que mortalidade atingiu 1.2 milhão de pessoas no mundo em 2010, enquanto Organização Mundial da Saúde havia estimado 655 mil

Por Da Redação 3 fev 2012, 09h03

A malária causou 1,2 milhão de mortes em 2010, quase o dobro do estimado no último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), o que dificulta ainda mais o objetivo de erradicar esta doença até 2015. Estes dados estão contidos em um estudo do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) da Universidade de Washington que foi divulgado pela revista científica The Lancet.

Saiba mais

MALÁRIA

É uma doença febril aguda, caracterizada por febres altas, calafrios e cefaleias. Se não tratada, pode gerar complicações graves, principalmente se for transmitida pelo Plasmodium falciparum, responsável por transmitir entre 15% e 20% da malária diagnosticada no Brasil. É mais incidente na África. No Brasil, a maior incidência está na região amazônica, mas atualmente a mortalidade é baixa. O transmissor é a fêmea do mosquito do gênero Anopheles. Prefere lugares como água limpa, sombreada e de baixo fluxo, comuns na região amazônica. O mosquito transmite plasmódios (parasitas) presentes no sangue de quem tem malária. Eles se multiplicam dentro do mosquito e entram em contato com o sangue daquele que for picado pelo Anopheles infectado.

Segundo a OMS, em 2010 houve 655 mil mortes por malária, que é transmitida pela picada de um mosquito, sendo que 91% dos casos ocorreram na África e 86% tiveram como vítimas crianças com menos de cinco anos.

Agora, os pesquisadores do IHME afirmam que esses números não levaram em conta muitas das 78 mil crianças de entre 5 e 14 anos e das 445 mil pessoas de mais de 15 anos mortas por este motivo em 2010, a maioria na África.

Continua após a publicidade

Os especialistas do IHME recolheram informações entre 1980 e 2010 sobre mortes por malária em 105 países onde a doença é endêmica, incluindo dados dos registros de hospitais, dos atestados de óbito e, sobretudo, de relatórios verbais de autópsias – não utilizados no relatório da OMS.

“Acreditamos que estes são os cálculos mais confiáveis até o momento sobre a tendência da malária em nível mundial”, declarou o Dr. Christopher Murray, diretor do IHME e autor principal do estudo.

Diante destes resultados, são “pouco realistas” as tentativas de erradicar os casos de malária até 2015, assinalou Murray, que, no entanto, estimou que “é possível” reduzi-los “a níveis muito baixos se houver uma mudança de estratégia” que leve em conta também os adultos.

O estudo do IHME concorda com o da OMS ao estimar que a partir de um pico alcançado em 2004 houve uma drástica queda das mortes por malária no mundo.

A nova pesquisa calcula esse descenso em 32%, contra 19% da OMS, e o atribui às cada vez maiores medidas de controle, entre elas inseticidas e remédios.

Segundo um porta-voz da Universidade de Washington, William Heisel, essa diminuição foi muito notável na América Latina, onde o número de mortes baixou de 2.697 em 1980 para 316 em 2010.

(Com agência Efe)

Continua após a publicidade
Publicidade