Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pandemia aumenta casos de bruxismo nos consultórios de dentistas

Situação está relacionada a tensão provocada pelo período; Especialistas dão dicas de como atenuar os sintomas

Por Mariana Rosário 2 out 2020, 13h58

A pandemia da Covid-19 aumentou a demanda de atendimento para casos de bruxismo em consultórios de odontologia brasileiros. O problema consiste em ranger ou pressionar os dentes, sobretudo durante o sono. A resposta para a avolumada busca por esses especialistas está na tensão emocional causada pela emergência sanitária, combinada com os períodos de quarentena, instaurados em meados de março, para a contenção do avanço do vírus. Medo, angústia e ansiedade são agravantes do problema, dizem os especialistas, e podem explicar a corrida aos consultórios.

Para se ter uma ideia da movimentação, no Google a busca pelo termo “bruxismo” bateu recorde de registros neste período. O último mês de agosto em comparação com dezembro de 2019 teve um fluxo de pesquisa 89% maior. Trata-se do maior patamar de interesse no assunto desde 2004, quando foi iniciada medição histórica. Na rede Dr. Consulta, especializada em serviços particulares a preços populares, a estimativa é que neste ano o atendimento de pacientes com problemas relacionados à pressão entre os dentes seja três vezes superior ao que foi registrado em 2019. “Cerca de 90% dos casos que atendemos na emergência neste período foi de fratura dental, que é a maior ocorrência”, afirma Aldo Brugnera, diretor clínico de odontologia da rede. “A maioria das pessoas relata angústia por receio de perder o emprego, medo do que pode ocorrer no futuro, entre outras questões”, aponta. 

Aos que apresentam sintomas característicos do problema (dor ao acordar na face e na cabeça, sensação de que a mandíbula está travada e desgaste no esmalte dos dentes) é indicado que procure um especialista para iniciar o tratamento. “Não basta somente utilizar as placas noturnas que diminuem o impacto da pressão, é preciso realizar uma análise completa e entender as razões dessa tensão noturna. Em alguns casos, inclusive, é indicada a terapia cognitiva comportamental”, explica a dentista Eliana Vago, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Em todos os casos — de maior ou menor complexidade — é indicado manter hábitos saudáveis, como exercitar-se e buscar uma alimentação saudável para atenuar o problema. Também tem impacto positivo realizar a chamada higiene do sono, que consiste em evitar toma café após as seis da tarde, evitar o consumo de álcool e o uso de celular e computador minutos antes antes de ir para a cama.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)