Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

País faz menos mamografias e Papanicolau em 2013

Houve queda no número de mamografias e do exame para diagnóstico de câncer de colo de útero. Nenhum estado atingiu até agora a meta de realizar exames em 65% da população feminina na faixa etária entre 50 e 69 anos

Por Da Redação 3 nov 2013, 15h08

O Sistema Único de Saúde (SUS) registrou queda no número de mamografias e do exame para diagnóstico de câncer de colo de útero, o Papanicolau, no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2012. O resultado, considerado negativo por especialistas, vai na contramão do plano apresentado há mais de dois anos pela presidente Dilma Rousseff para prevenção, diagnóstico e tratamento dessas duas doenças. Por esse plano, os estados teriam até 2014 para atingir a meta de realizar exames em 65% da população feminina na faixa etária entre 50 e 69 anos, considerada de maior risco. Nenhum estado alcançou a marca. Diante do cenário atual, o Ministério da Saúde refaz os cálculos e admite que o objetivo será atingido somente em 2015.

Médicos usam exame papanicolau para detectar câncer de ovário e endométrio

Faixa etária para exame de papanicolau é ampliada

“Eticamente, o correto seria ofertar mamografia para 100% das mulheres com idade considerada de risco”, criticou o secretário de Gestão Participativa da Saúde do Ministério da Saúde, Luiz Odorico Monteiro de Andrade, em uma reunião onde os números foram discutidos. “É preciso deixar esses dados sempre à mostra, para ficarmos indignados”, completou.

De janeiro a julho, 1,89 milhão de mamografias foram feitas no país, ante 1,94 milhão em 2012. Quando se analisa a faixa etária considerada de maior risco, os números praticamente não mudam: 433 exames a mais do que no ano passado. Mas durante a divulgação da campanha Outubro Rosa, que alerta sobre a necessidade do diagnóstico do câncer de mama, a pasta omitiu a tendência de queda. Preferiu comemorar ao fazer uma comparação dos dados de 2010 a 2012, que indicavam um aumento de 37% nos exames. “Somente diante da realidade é possível identificar erros, corrigir caminhos”, alertou o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Evânio Garcia Wiernann.

Testes para detectar câncer de ovário não são efetivos

Pílula diminui pela metade risco de câncer de ovário

Gordura abdominal pode ajudar a espalhar câncer de ovário

Patrícia Chueri, da Coordenação Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas do Ministério da Saúde, garante que os indicadores não preocupam. “Tradicionalmente, o primeiro semestre apresenta uma produção menor”, diz. Há semanas, no entanto, quando apresentou as estatísticas a gestores, Patrícia criticou os resultados alcançados e afirmou ser necessário melhor desempenho.

Continua após a publicidade

Entre 2011 e 2012, o número de exames para diagnóstico de câncer de colo de útero caiu 4,6%: passou de 11,4 milhões para 10,9 milhões. Questionada pela reportagem, Patrícia afirmou que a redução não é significativa. A coordenadora argumentou que, graças ao melhor desempenho de áreas com maior concentração populacional, o Brasil vai atingir até 2014 a meta de realizar o Papanicolau em 75% das mulheres na faixa etária entre 25 e 64 anos.

Uma das principais críticas feitas por Patrícia na reunião foi direcionada à baixa produção do Papanicolau. Foram coletadas 8,8 milhões de amostras para exame. Deste total, no entanto, apenas 4,7 milhões foram efetivamente analisadas, o equivalente a 53% do total de amostras. Ao ser questionada, no entanto, ela ponderou que o dado de 8,8 milhões pode estar superestimado. O pagamento é calculado a partir da realização do exame.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês