Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pais devem limitar tempo de televisão, computador e celular dos filhos

Para pediatras americanos, crianças não devem passar mais de duas horas por dia em frente a esses aparelhos

Por Da Redação 29 out 2013, 10h24

Para a Associação Americana de Pediatria (AAP, sigla em inglês), os pais devem limitar o tempo que seus filhos passam em frente à televisão, computador, celular ou tablet para duas horas por dia. Esse tempo não inclui, no entanto, o uso dos aparelhos para fins acadêmicos. A recomendação faz parte das novas diretrizes da entidade, apresentadas nesta segunda-feira durante o encontro anual da AAP, em Orlando, Estados Unidos, e publicadas na revista Pediatrics.

A associação também aconselha que as famílias acompanhem o conteúdo que as crianças acessam na internet e assistem na televisão, e que apresentem a seus filhos programas e ferramentas virtuais que sejam educativos. Ainda segundo as orientações da AAP, crianças menores do que dois anos não devem ter contato com televisão, computadores e outros aparelhos do tipo. “Nessa idade, simplesmente não há benefícios”, diz a recomendação.

Leia também:

Muito tempo de televisão prejudica desempenho de crianças na pré-escola

Excesso de televisão na infância pode levar a comportamento agressivo e antissocial

Há algum tempo, a associação orienta que os pais evitem que seus filhos tenham televisão no quarto. Um estudo publicado em dezembro de 2012, por exemplo, descobriu que crianças que têm o aparelho no quarto apresentam, no geral, maiores níveis de gordura subcutânea (que geralmente se acumula na barriga, nas pernas e no culote), de gordura visceral (que fica em torno dos órgãos) e maiores medidas de circunferência abdominal do que os outros jovens. Além disso, pesquisas mostraram que muito tempo em frente a alguma tela também pode causar problemas relacionados ao sono e comportamentos agressivos.

Mídias – Agora, a AAP também está preocupada com outros aparelhos que não somente a televisão, como computadores e celulares. De acordo com a associação, atualmente, o tempo médio que as crianças passam em frente a algum desses aparelhos é de oito horas por dia. Pediatras acreditam que uma das consequências desse comportamento é a maior exposição a problemas como o cyberbullying e conteúdos de caráter sexual. Por isso, a associação também recomenda que os pais evitem que seus filhos tenham computadores e usem celulares e tablets em seus quartos.

“Há aproximadamente três décadas, a AAP possui preocupações expressas sobre a quantidade de tempo que crianças e adolescentes gastam em contato com as mídias. A era digital apenas fez com que esse problema se tornasse mais urgente”, disse Victor Strasburger, um dos autores das novas diretrizes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês