Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Oxford: Senado aprova crédito de R$ 1,9 bilhão para compra da vacina

Antígeno tem 100 milhões de doses prometidas para o primeiro semestre de 2021

Por Mariana Rosário Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 3 dez 2020, 18h46 - Publicado em 3 dez 2020, 17h52

O Senado Federal aprovou nesta quinta-feira, 3, a MP 994/2020, que abre crédito extraordinário de 1,995 bilhão de reais para compra de tecnologia e a produção da vacina da Universidade de Oxford no Brasil. Os recursos serão usados para custear contrato entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o laboratório AstraZeneca, parceiro da instituição de ensino no Reino Unido.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEMP) postou em sua conta do Twitter que vai promulgar a medida ainda nesta quinta-feira.

Segundo a MP, a transferência de tecnologia na formulação, envase e controle de qualidade da vacina será realizada por meio de um acordo da empresa britânica com a Fiocruz. Com isso, caso a eficácia do imunobiológico seja comprovada, o Brasil deverá produzir 260 milhões de doses ao longo de 2021, conforme afirmou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello na manhã desta quarta-feira, 2 . Desta monta, 100 milhões contarão com matéria-prima importada e outros 160 milhões serão totalmente preparados pelo centro de excelência carioca.

Do total de recursos a serem liberados, o Ministério da Saúde prevê um repasse de 522,1 milhões de reais na estrutura de Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz produtora de imunobiológicos. Um total de 1,3 bilhão de reais são despesas referentes a pagamentos previstos no contrato de encomenda tecnológica. Os valores contemplam a finalização da vacina.

Continua após a publicidade

Testes clínicos

A vacina de Oxford, como ficou conhecida, revelou na semana passada os resultados preliminares da fase 3 de testagem. Com eles, foi descoberto que o imunizante promove até 90% de eficácia. Os melhores resultados foram obtidos quando houve a aplicação de meia dose seguida de uma dose completa. Quando aplicadas duas doses totais (como originalmente o estudo foi desenhado), a eficácia chegou a 62%. O achado científico se deu por um erro no curso dos estudos. Ainda não se sabe, portanto, qual será a posologia a ser trabalhada no Brasil tão logo o fármaco seja aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O processo de aprovação ainda não foi iniciado, mas documentos preliminares já foram encaminhados à agência.

Nesta quinta-feira, 3, o Brasil teve médias móveis em 40.409,1 diagnósticos positivos e 544,3 mortes por conta do novo coronavírus.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.