Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Opinião dos pais influencia consumo de álcool pelos filhos

Segundo estudo, meninos com pais que não consomem bebidas alcoólicas ou que bebem, mas são contrários ao consumo de álcool por adolescentes, correm risco até 70% menor de beber precocemente

Por Da Redação 7 Maio 2015, 16h24

Os pais exercem uma grande influência no consumo de álcool por adolescentes. É o que mostra um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional em Saúde, em Taiwan. Segundo a pesquisa, o poder do pai ou da mãe difere de acordo com o gênero do filho. As meninas escutam mais a opinião da mãe, enquanto os meninos valorizam principalmente a restrição imposta pelo pai.

Para o levantamento, 3.972 estudantes, de 14 e 15 anos, responderam a um questionário sobre seus hábitos de consumo de bebida alcoólica, a frequência com a qual os pais bebiam e qual era a postura dos familiares sobre o tema.

Leia também:

Cafeína afeta meninos e meninas de maneira diferente, diz estudo

Depressão é a doença mais frequente na adolescência, segundo OMS

Do total, 680 estudantes afirmaram que haviam consumido bebida alcoólica no mês anterior. Segundo os resultados, os meninos cujos pais não consumiam bebida alcoólica ou que bebiam, mas eram contrários ao consumo de álcool por adolescentes, tinham risco até 70% menor de beber antes de atingir a maioridade — quando comparados àqueles que tinham pais que bebiam frequentemente e tinham uma atitude favorável em relação ao consumo por menores de idade.

Continua após a publicidade

No caso das meninas, aquelas com pais abstêmios tinham 49% menos risco de consumir bebida alcoólica. Para elas, a influência das mães era maior ainda: 77% de redução de risco de beber quando as mães eram contrárias ao consumo.

Para Hsing-Yi Chang, autora do estudo, em sociedades patriarcais, como é o caso de Taiwan, a figura do pai ainda serve como modelo para o filho. “No caso dos meninos, saber que seu pai é contrário ao consumo de bebida alcoólica tem até mais importância do que o próprio comportamento do pai”, disse.

A pesquisa foi publicada na revista científica BMJ Open.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)