Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Opas não sabe quanto será repassado aos médicos cubanos

O representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no Brasil, o cubano Joaquin Molina, disse que não há como saber com certeza qual o montante que será repassado aos médicos de Cuba

O representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no Brasil, o cubano Joaquin Molina, disse nesta terça-feira, durante entrevista no Ministério da Saúde, em Brasília, que não há como saber com certeza qual o montante que será repassado aos médicos que vieram de seu país. “Não fizemos um contrato por pessoa, mas um contrato conjunto. Temos apenas certeza de que eles receberão uma quantia”, disse. Molina afirmou que cabe à Opas monitorar o conjunto do serviço que será prestado ao país, e não os trâmites entre a ilha e seus profissionais. “Esse médico não se desligou do seu país, ele vem ao Brasil por um princípio de solidariedade”, justificou.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que o contrato fechado com a Opas visa apenas “assistir os milhares de brasileiros que estão sem atendimento médico.” O ministro reforçou ainda a fala da vice-ministra da Saúde cubana, Marcia Cóbas, nesta segunda-feira, segundo a qual os profissionais alocados no Brasil receberão o salário integral mais um bônus no valor de até 50% da bolsa de 10.000 reais.

Leia também:

Médico que não for bem no curso preparatório retornará para o seu país

Vice-ministra cubana nega ‘mercantilização’ de médicos

Demonstrando nervosismo, Padilha também afirmou que não irá permitir qualquer tipo de “debate ideológico” sobre a vinda dos médicos cubanos. “Não vou reforçar nenhum tipo de preconceito. Nunca vi questionamento sobre qual a parcela que fica com o Banco Mundial quando se fecha um acordo de consultoria”, disse o ministro, tentando comparar acordo firmado com Cuba a uma simples consultoria.

Transferência – De acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, todos os médicos estrangeiros que estão em Brasília serão transferidos ainda nesta terça-feira. Atualmente, os homens estão no Alojamento da Guarda Presidencial, e as mulheres, no Batalhão da Cavalaria Montada. O deslocamento será feito para que os médicos tenham condições adequadas para estudar durante a noite. “Eles serão levados para um local onde haja acesso à internet e tenham condições de estudar”, disse. O local do novo alojamento ainda não foi divulgado.