Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

ONU alerta para novo surto mundial de gripe aviária

Novo tipo mutante do vírus é resistente às vacinas; países mais afetados até o momento são Bangladesh, China, Egito, Indonésia e Vietnã

Por Da Redação - 29 ago 2011, 10h22

A Organizção das Nações Unidas (ONU) alertou, nesta segunda-feira, para um possível ressurgimento da gripe aviária. A ONU pediu maior vigilância e preparação para possíveis surtos do vírus, que já infectou cerca de 560 pessoas, matando 331 delas, desde seu aparecimento em 2003. Segundo a FAO, órgão das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, uma cepa mutante do H5N1 está se espalhando pela Ásia e outros lugares.

Desde 2003, o H5N1 matou ou forçou o abate de mais de 400 milhões de aves domésticas e causou cerca de 20 bilhões de dólares de prejuízos econômicos em todo o mundo. O vírus foi eliminado da maioria dos 63 países infectados em 2006, mas permanece endêmico em seis nações. Segundo a FAO, os surtos têm aumentado progressivamente, com quase 800 casos registrados entre 2010 e 2011.

De acordo com Juan Lubroth, diretor da FAO, o aparecimento de uma variante do vírus na China e no Vietnã é motivo de preocupação, porque esse novo tipo do vírus é, aparentemente, resistente às defesas das vacinas existentes. A circulação do vírus no Vietnã significa ainda um risco ao Camboja, Tailândia e Malásia, assim como à península coreana e ao Japão.

A última morte humana aconteceu no começo deste mês no Camboja, país que registrou oito casos da infecção esse ano, todos fatais. Países que podem enfrentar os maiores problemas com o vírus são Bangladesh, China, Egito, Indonésia e Vietnã, locais onde o vírus está firmemente impregnado. Mas algumas áreas que incluem Israel, Palestina, Bulgária, Romênia, Nepal e Mongólia também foram recentemente afetadas.

Publicidade

“As aves selvagens podem introduzir o vírus, mas os atos na produção e na venda das aves é que podem espalhá-lo”, diz Lubroth. Segundo o especialista, é necessário que os países fiquem preparados e vigilantes. “Não é hora para complacência, ninguém pode baixar a guarda”, diz.

Publicidade