Clique e assine a partir de 8,90/mês

Novo estudo revela riscos de transmissão de Covid-19 em voos

Forma mais provável de transmissão é por aerossol ou gotículas, inclusive entre passageiros da classe executiva

Por Da Redação - Atualizado em 19 set 2020, 19h30 - Publicado em 19 set 2020, 19h08

Uma única pessoa com COVID-19 infectou outras 15 durante um voo de longa duranção entre Londres e o Vietnã no início de março, segundo estudo realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos. 

Esse é um dos primeiros levantamentos a analisar os riscos de transmissão do Covid-19 em aviões. Até o momento, a indústria da aviação havia insistido que a probabilidade de se infectar em voos era muito baixa.  Os pesquisadores notaram, no entanto, que viagens longas são sim uma fonte de preocupação crescente.

Os cientistas estudaram o caso de uma mulher de 27 anos que viajou na classe executiva do avião. Ela começou a ter os primeiros sintomas da doença no dia 29 de fevereiro. Em 1º de março, realizou a viagem, e permaneceu sintomática durante as 10 horas do voo. A mulher era a única pessoa sintomática no avião, e infectou 12 passageiros da classe executiva, dois da classe econômica e um comissário de bordo.

Por causa do estudo, os estudiosos chamaram a atenção para os riscos de novas ondas de contágios num momento em que parte dos países começa a levantar restrições de movimentação. 

“O risco de transmissão a bordo em voos longos é real e tem o potencial de causar clusters de tamanho substancial, mesmo em ambientes como a classe executiva, que tem assentos espaçosos e acima da distância usada para evitar o contato”, concluiu o estudo.

Os pesquisadores afirmaram também que o papel das transmissões do vírus através de superfícies contaminadas, como bandejas e vaso sanitário, continua desconhecido. 


Continua após a publicidade
Publicidade