Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Negociação para oferta de antiviral da Pfizer no Brasil está em fase final

Farmacêutica disse que tem capacidade de produção suficiente para fornecer o quantitativo de medicação contra Covid que atenda às necessidades brasileiras

Por Paula Felix 3 ago 2022, 20h13

A farmacêutica Pfizer anunciou na noite desta quarta-feira, 3, que está em “tratativas finais” com o Ministério da Saúde para o fornecimento do antiviral oral contra a Covid-19 Paxlovid para o Brasil. O uso emergencial do medicamento foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março deste ano e ele foi incorporado para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) imunossuprimidos e com mais de 65 anos em maio.

Em nota, a Pfizer informou que “tem capacidade de produção suficiente para fornecer o quantitativo de Paxlovid que atenda às necessidades brasileiras”. A quantidade negociada não foi divulgada.

A farmacêutica fornece a medicação para 41 países e informou, também nesta quarta-feira, o acordo com o governo do México para o fornecimento de 300 mil cursos do tratamento, o Paxlovid associa nirmatrelvir e ritonavir. Este é o segundo país da América Latina a receber o medicamento – o primeiro foi o Panamá, em junho -.

O antiviral deve ser tomado no início da infecção por pacientes com alto risco de evoluir para casos graves da doença. Segundo recomendação da Anvisa, o remédio não deve ser usado por mais de cinco dias e não é indicado para pacientes com insuficiência renal grave ou falha renal. Estudos realizados pela farmacêutica apontaram que o remédio é capaz de reduzir os riscos de internação e morte em 89%. Pesquisas indicaram que o antiviral também é eficaz para a variante de preocupação ômicron.

Os ensaios clínicos com o Paxlovid contou com participantes da Europa, África, Ásia e das Américas Norte e Sul, inclusive o Brasil, onde 29 centros de pesquisa participaram de um pacote de estudos com o antiviral. Os estudos clínicos contaram com a participação de mais de 3.500 voluntários e não houve nenhuma morte.

No fim de janeiro, a Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, autorizou o uso emergencial da pílula. Alguns dias depois, o Reino Unido adotou a medicação.

Abaixo, os números da vacinação no Brasil:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)