Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nascimento prematuro pode elevar risco de diabetes tipo 2

Pesquisa descobriu que bebês nascidos antes do tempo ideal de gestação são mais propensos a apresentar, no futuro, resistência à insulina

Por Da Redação
11 fev 2014, 18h48

Diversas pesquisas já haviam relacionado certas características apresentadas por um bebê ainda no útero materno ou em seus primeiros de vida com alterações metabólicas que levam ao diabetes tipo 2. Agora, uma nova pesquisa ajuda a compreender de que forma isso acontece. O estudo descobriu que bebês prematuros são mais propensos a apresentar níveis elevados de insulina quando nascem e durante os primeiros anos de vida. Segundo os pesquisadores, apesar de esse hormônio ser o responsável por controlar a taxa de açúcar no sangue, evitando que ela fique elevada demais, uma quantidade de insulina acima do normal ainda na infância pode desencadear resistência à sua ação. Essa resistência é justamente o que caracteriza o diabetes tipo 2.

Leia também:

Medicina tradicional chinesa diminui risco de diabetes

Dieta do Mediterrâneo previne o diabetes, diz estudo

O estudo, feito na Faculdade de Saúde Pública da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, foi publicado nesta terça-feira no periódico Jama. Os autores avaliaram 1 358 crianças nascidas entre 1998 e 2010 e acompanharam seu desenvolvimento durante cerca de sete anos.

Continua após a publicidade

Os resultados indicaram que, quanto mais prematuro o nascimento do bebê, maiores os níveis de insulina apresentados por ele. Em média, bebês prematuros (nascidos antes de 34 semanas de gestação) apresentaram, ao nascer, praticamente o dobro dos níveis de insulina de crianças nascidas com 39 semanas ou mais de gestação. Durante os primeiros anos da infância, crianças nascidas antes do tempo normal continuaram a ter maiores quantidades de insulina do que as outras.

“Pesquisas como essa revelam o quão cedo é possível dar os primeiros passos para prevenir o diabetes”, escreveu Mark Hanson, pesquisador da Universidade Southampton, na Grã-Bretanha, em um editorial publicado junto com o estudo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.