Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“Não virão médicos portugueses e espanhóis. Virão cubanos”, diz presidente do CFM

Roberto Luiz d’Ávila, presidente do Conselho Federal de Medicina, afirmou que o ministro da Saúde precisa agir com mais transparência ao tratar sobre a importação de médicos estrangeiros para o país

Por Da Redação
12 jun 2013, 17h30

“Um médico ruim é pior do que nenhum médico.” – Roberto Luiz d’Ávila, presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM)

Após o anúncio de que o governo brasileiro estuda realizar o reconhecimento mútuo entre o diploma de médicos do Brasil e de Portugal, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d’Ávila, fez duras críticas às atuais medidas adotadas pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para expandir o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) no interior do país.

Luiz d’Ávila afirmou que o ministro da Saúde precisa agir com mais transparência ao tratar sobre a importação de médicos estrangeiros para o país. “Não virão portugueses e espanhóis. Virão cubanos, o que ele não falou”, disse o presidente do CFM. Em maio, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, anunciou que o Brasil negociava um acordo com Cuba para receber 6 000 médicos cubanos – o que virou alvo de críticas pelo despreparo dos profissionais que viriam ao país. “Ele [Padilha] não tem coragem de dizer o que o Patriota falou. Ele não fala, foge desse assunto. Mas isso é eleitoreiro. A própria presidente Dilma disse que prefere enfrentar as entidades médicas do que enfrentar prefeitos.”

Além disso, o presidente do CFM acredita que os estrangeiros pleiteados para atuar no Brasil não vão querer atuar nas condições oferecidas atualmente. “Eu tenho certeza que o médico português ou espanhol, quando conhecer a realidade do nosso Brasil, com postos de saúde caindo aos pedaços, falta de material minimamente adequado para o exercício da profissão e ainda ser refém de prefeito, não aceitará vir para cá”, disse Roberto Luiz d’Ávila.

Leia ainda: Ministério da Saúde estuda equivalência de diploma médico entre Brasil e Portugal

Sem avaliação – O presidente do CFM também questionou a intenção do ministério de dispensar esses médicos do Revalida, exame que autoriza médicos estrangeiros a atuarem no país. Para Luiz d’Ávila, um médico jamais deve deixar de ser avaliado. “Um médico ruim é pior do que nenhum médico. As pessoas confiam e ele pode retardar um diagnóstico que poderia salvar um paciente. As pessoas não podem se iludir. Elas devem exigir que todo médico seja competente.”

Outro argumento para ser contrário à importação de médicos utilizado pelo presidente do Conselho de Medicina é a falta de condições adequadas oferecidas aos profissionais brasileiros, o que seria essencial para resolver o déficit de profissionais na periferia brasileira, e a ausência de uma carreira para médicos de estado.

“O ministro usa os números para ajudá-lo a manter um equívoco no ar. Não faltam médicos no país. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez uma previsão para 2015 e descobriu que 45 países terão falta de médicos. O Brasil não faz parte dessa relação. O que acontece é que os médicos estão concentrados na região Sul e Sudeste”, disse.

Leia também:

Médicos estrangeiros poderão ser “importados” por meio de intercâmbio

Brasil tem menos médicos que demais países emergentes

Brasil registra 2.399 médicos de 53 nações

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.