Clique e assine a partir de 8,90/mês

Ministério da Saúde vai investir R$ 12 milhões em ações contra o tabagismo

Meta do governo é reduzir a proporção de fumantes de 15% para 9% até 2022. Doenças relacionadas ao cigarro matam 200.000 pessoas por ano no Brasil

Por Da Redação - 8 abr 2013, 12h44

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou neste domingo que o governo deve investir 12 milhões de reais em ações antitabagistas, como em medicamentos, ações preventivas e treinamento de pessoal. A verba pode chegar a 60 milhões de rais, dependendo da adesão dos municípios. A meta do ministério é reduzir de 15% para 9% a proporção de fumantes até 2022.

Cerca de 200.000 pessoas morrem todos os anos no Brasil em decorrência dos males do cigarro, segundo estimativas do governo. De acordo com o Ministério da Saúde, 15% das pessoas com mais de 18 anos fumam. Dessas, 14% (cerca de 2,3 milhões de pessoas) querem parar de fumar nos próximos 12 meses, segundo a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad). Ainda segundo dados do governo, em 2012, 175.000 pessoas foram atendidas em unidades credenciadas ao programa de controle do tabagismo.

Leia também:

Brasil é exemplo de como reduzir mortes por tabagismo, diz revista britânica

A meta de redução do tabagismo é ambiciosa, já que pesquisas mostram que só um em cada três fumantes consegue largar o cigarro. Entre os motivos das recaídas estão passar por uma situação de estresse agudo, como perder o emprego, divorciar-se ou enfrentar a morte de um familiar. Um estudo feito pelo Instituto do Coração (Incor) e divulgado em 2012 mostrou que dos 820 pacientes analisados, 257 (31,3%) chegaram a parar de fumar por um tempo, mas retomaram o vício. E apenas 276 (33,7%) foram bem-sucedidos em largar o tabaco. Os demais ou abandonaram o tratamento ou nunca conseguiram deixar de fumar.

Atualmente existem 3.000 unidades de saúde e serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) que oferecem tratamento antitabaco. De acordo com Padilha, não há um registro oficial sobre o tempo que as pessoas que querem parar de fumar esperam para conseguir ser atendida em alguma unidade especializada.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade