Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ministério da Saúde: os médicos mais cotados para substituir Pazuello

Luiz Antônio Teixeira Jr, o "dr. Luizinho", do Rio, e a cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, de São Paulo, estão entre os nomes fortes

Por Adriana Dias Lopes Atualizado em 19 mar 2021, 01h20 - Publicado em 14 mar 2021, 12h00

Ganha força em Brasília a notícia de demissão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Dois nomes entraram na lista dos mais contatos a ocupar o cargo. Um deles é o da cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, do Hospital Vila Nova Star e Hospital das Clínicas, em São Paulo. A médica está sendo defendida por ministros do Supremo Tribunal Federal, a cúpula do Congresso e parlamentares do DEM e do PP.

Neste domingo, Hajjar foi à Brasília e teve uma reunião com o presidente Jaiar Bolsonaro, segundo informações publicadas pelo Radar.

O médico e deputado Luiz Antônio Teixeira Jr (PP-RJ), conhecido como “Dr. Luizinho”, é outro nome forte. Teixeira integra a Comissão de Enfrentamento da Covid-19 e é defendido pelo Centrão. O oftalmologista Claudio Lottenberg, do Hospital Albert Einstein,  também estaria no páreo, mas com menos chance por seus laços com o governador João Dória, de São Paulo.

Nos últimos dias, parlamentares aliados do governo Bolsonaro aumentaram a pressão para a troca no comando da pasta da Saúde. Eles ficaram irritados com os sucessivos recuos no cronograma da vacinação no país, incluindo os dados divergentes passados pelo ministério da Saúde ao Congresso Nacional.

Neste sábado, 13, a substituição do ministro foi tema da conversa entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). No mesmo dia, o presidente também teve encontros com o próprio Pazuello e ministros da ala militar, como “Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo (Defesa).

A pessoas próximas, Pazuello tem se queixado do desgate que tem sofrido por ter se tornado alvo de investigações na Justiça pelo colapso de oxigênio no sistema de saúde do Amazonas.

Continua após a publicidade
Publicidade