Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ministério da Saúde monitora 47 casos de hepatite misteriosa em crianças

Quatro casos foram descartados e, até o momento, nenhum episódio da doença foi confirmado no Brasil

Por Paula Felix Atualizado em 17 Maio 2022, 20h14 - Publicado em 17 Maio 2022, 17h28

O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira, 17, que monitora 47 casos suspeitos da hepatite fulminante de origem desconhecida em crianças. Até o momento, nenhuma notificação foi confirmada e quatro registros foram descartados. A doença, que tem sido investigada em países da Europa e nos Estados Unidos, pode ter relação com o subtipo 41 do adenovírus, mas a causa ainda não foi descoberta.

Até a última sexta-feira, 13, 29 casos eram investigados em oito estados. Agora, 11 estados monitoram episódios. São 14 em São Paulo, 7 em Minas Gerais, 6 no Rio de Janeiro, 4 em Mato Grosso do Sul, 4 no Rio Grande do Sul e 4 em Santa Catarina. As demais notificações foram feitas por Pernambuco (2), Paraná (2), Espírito Santo (1), Goiás (1) e Maranhão (1).

Para analisar os casos, a pasta instalou uma Sala de Situação que conta com a participação de especialistas do ministério e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Segundo o ministério, os Centros de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) e a Rede Nacional de Vigilância Hospitalar (Renaveh) estão monitorando alterações do perfil epidemiológico e a detecção de casos suspeitos da doença. A orientação da pasta é que qualquer suspeita deve ser notificada imediatamente pelos profissionais de saúde.

Os primeiros registros da hepatite fulminante em crianças foram feitos em países europeus e se concentravam principalmente no Reino Unido. Segundo balanço divulgado pela OMS, há 348 registros da hepatite misteriosa, 70 notificações em investigação e uma morte no mundo. Em levantamento do dia 25 de abril, foram reportados 17 casos de crianças que precisaram fazer transplante de fígado.

A entidade investiga a relação dos casos com o adenovírus, que causa doenças gastrintestinais e respiratórias. Há suspeitas de que o subtipo 41, que provoca gastrenterites (inflamação gastrintestinal), seja o causador da moléstia, mas a OMS apura ainda se a Covid-19, substâncias tóxicas, medicamentos e agentes ambientais têm ligação com o problema.

A hepatite é uma inflamação que atinge o fígado e, na maioria dos episódios, é causada por vírus, mas pode ter relação com o uso de substâncias tóxicas, incluindo medicamentos, consumo de álcool, doenças hereditárias e distúrbios autoimunes. Os principais sintomas são icterícia (cor amarelada na pele ou nos olhos), diarreia, dor abdominal e vômito. Nas crianças afetadas, testes laboratoriais descartaram os tipos A, B, C, E e D (quando aplicável).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)