Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ministério da Saúde confirma 3º caso de coronavírus e investiga 4º caso

O terceiro caso confirmado também é importado e está na capital paulista. Um quarto caso, também em SP, aguarda resultado da contraprova

Por Da redação - Atualizado em 4 Mar 2020, 19h41 - Publicado em 4 Mar 2020, 16h56

O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira (4) um terceiro caso importado de coronavírus no Brasil na cidade de São Paulo. Além desse, outro possível caso da doença na capital paulista aguarda resultado da contraprova pelo Instituto Adolfo Lutz. Ambos estão em isolamento domiciliar. De acordo com o novo boletim, são 531 casos suspeitos de coronavírus no país – 43 a mais do que no boletim anterior, divulgado na terça-feira (3) – e 315 descartados.

O novo caso confirmado é um administrador de empresas de 46 anos, colombiano, residente em São Paulo. Ele foi atendido no Hospital Albert Einstein em São Paulo, nesta quarta-feira, com sintomas como tosse, dor de gargante, mialgia, dor de cabeça e coriza e histórico de viagem para a Europa. O paciente viajou para a Espanha no dia 9 de fevereiro. Em 16 de fevereiro foi da Espanha para a Itália e em 22 de fevereiro, da Itália para a Áustria. No dia 28 de fevereiro foi da Áustria para a Alemanha e no dia seguinte, 29 de fevereiro, retornou a São Paulo.

“Ele [o paciente diagnosticado] está clinicamente bem. Já foi levantado em qual voo ele estava, e as pessoas próximas a ele já foram notificadas e serão monitoradas”, disse Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde.

O caso em investigação, que ainda espera contraprova do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, é de uma estudante de 13 anos, residente em São Paulo, com histórico de viagem para a Itália. A adolescente não apresenta sintomas da doença, mas foi atendida na Beneficência Portuguesa de São Paulo e, em uma situação bastante atípica, foi submetida ao teste de coronavírus devido ao histórico de viagem para a Itália.

Continua após a publicidade

Entre os casos suspeitos, seis estão na região Norte nos estados do Amazonas (4 casos), Pará (1) e Rondônia (1); 55 casos suspeitos na região Nordeste nos estados Alagoas (5), Bahia (19), Ceará (14), Pernambuco (6), Paraíba (4), Pauií (1), Rio Grande do Norte (5) e Sergipe (1), 277 na região Sudeste no Espírito Santo (5), Minas Gerais (82), Rio de Janeiro (55) e São Paulo (135); 35 na região Centro-Oeste no Distrito Federal (18), Mato Grosso do Sul (10), Goiás (1) e Mato Grosso (6) e 157 na região Sul no Paraná (13), Santa Catarina (46) e Rio Grande do Sul (98).

LEIA TAMBÉM:
Gripe: quais foram as maiores epidemias da história
Quanto tempo demora para a vacina da gripe fazer efeito?

O exame foi realizado por um laboratório privado que adota o mesmo padrão do Hospital Albert Einstein e do Ministério da Saúde. Surpreendentemente, já que a paciente não tem nenhum sintoma, o resultado do teste para coronavírus foi positivo. A jovem saiu do Brasil com destino a Lisboa no dia 21 de fevereiro. Em 22 de fevereiro foi de Lisboa para Milão e em seguida, partiu de trem para as Dolomitas, cadeia montanhosa dos Alpes orientais no norte da Itália. No local, ela sofreu uma lesão e ficou um período internada no Hospital Dolomiti Sportclinic, localizado na região de Trentino-Alto Adige.  e retornou ao Brasil no domingo (01). De acordo com o ministro da Saúde, a expectativa é que o resultado da contraprova seja divulgado no começo dessa noite.

“Não temos transmissão sustentada [de coronavírus]. São todos casos importados”, reforça o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A lista de países monitorados pelo Ministério da Saúde subiu para 31, com a inclusão da Argélia, Equador e Líbano. Portanto, pessoas que apresentarem febre e mais um sintoma gripal, como tosse ou falta de ar e tiveram passagem pela Alemanha, Argélia, Austrália, Canadá, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Croácia, Dinamarca, Emirados Árabes Unidos, Equador, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Indonésia, Irã, Israel, Itália, Japão, Líbano, Malásia, Noruega, Reino Unido, San Marino, Singapura, Suécia, Suíça, Tailândia e Vietnã devem procurar uma unidade de saúde.

Publicidade