Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministério analisa incluir vacina da febre amarela no calendário

A proposta sugere incluir a vacina contra febre amarela no calendário nacional de imunização das crianças de todas as regiões do Brasil a partir de 2018

O Ministério da Saúde estuda incluir a vacina contra a febre amarela no calendário nacional de imunização das crianças de todas as regiões do Brasil, não só das áreas consideradas endêmicas. A proposta é que a medida já comece a valer a partir do ano que vem. As crianças receberiam duas doses – a primeira aos 9 meses e a segunda aos 4 anos de idade.

“Estamos estudando a possibilidade de introduzir a vacina. É preciso avaliar o risco-benefício. Você tem que colocar na balança qual o benefício de dar essa vacina (em áreas que não têm casos da doença). O benefício é que em longo prazo, em 20 anos, teremos toda a população do Brasil imunizada e não precisaremos fazer uma campanha. Vou vacinando gradativamente. Mas tem os riscos”, afirmou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, Carla Domingues, em seminário promovido pela Sociedade Brasileira de Imunizações, realizado nesta quinta-feira, em São Paulo.

Veja também

Mudança de cenário

A mudança no cenário da transmissão de febre amarela está entre os fatores avaliados pelos técnicos da pasta. “Não havia transmissão da doença no Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Com idas e vindas da população o tempo todo, a pessoa que mora no Rio Grande do Norte (um dos Estados que não têm transmissão da doença) pode vir trabalhar no Rio ou em São Paulo; traz o filho pequeno. Há cinco anos, o cenário era outro. Temos que nos adaptar a esse outro cenário.”, disse Carla.

Hoje, há 3.529 municípios com recomendação de imunizar a população contra a febre amarela – nesses, já funciona o esquema de vacinar crianças aos 9 meses e 4 anos. Outros 113 foram incluídos como áreas de vacinação prioritária por causa da transmissão da doença. A estimativa do ministério é que ainda tenham de ser vacinados 25,5 milhões de pessoas com idades entre 15 e 59 anos.

(Com Estadão Conteúdo)