Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Microlaboratório’ analisa exame de sangue em 30 minutos

Dispositivo desenvolvido nos EUA reduz os custos do procedimento médico

Por Marco Túlio Pires 11 jan 2011, 09h54

Enquanto a medicina busca no sangue formas de diagnosticar doenças, a engenharia está acelerando a entrega dos resultados desse tipo de exame. Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Rhode Island (URI), nos Estados Unidos, desenvolveu um “microlaboratório” que precisa de apenas uma gota de sangue para revelar a doença do paciente. E as pessoas não precisam esperar dias pelos resultados. O novo dispositivo é capaz de fornecer os dados médicos em 30 minutos.

“Basta colocar o sangue em um pequeno cartucho plástico, pouco menor que um cartão de crédito”, explicou o engenheiro mecânico iraniano Mohammad Faghri, chefe da pesquisa, em entrevista ao site de VEJA. Depois disso, o cartucho é inserido em um biossensor do tamanho de uma caixa de sapatos que realiza a medição de substâncias. O sangue passa por minúsculos canais na superfície do cartucho até encontrar com reagentes que permitem os sensores detectarem os biomarcadores das doenças.

O cartucho de plástico com apenas uma gota de sangue é inserido no microlaboratório
O cartucho de plástico com apenas uma gota de sangue é inserido no microlaboratório VEJA

Apesar de ter sido arquitetado originalmente para exames de doenças cardíacas, Faghri disse que o microlaboratório poderá ser adaptado para identificar qualquer patologia que tenha um biomarcador associado, como o HIV, a hepatite B e a gripe A (H1N1). A equipe do engenheiro já está trabalhando para que o dispositivo possa identificar o Alzheimer.

Barato – De acordo Faghri, cada exame de sangue custará menos de 3 reais, que é o custo do cartão de plástico e dos reagentes. A próxima geração do sistema irá incorporar um sensor portátil que deve reduzir o custo de produção. Agora, a equipe está concentrada em diminuir o tamanho do sistema.

Os engenheiros acreditam que, no futuro, será possível associar o microlaboratório aos celulares, que enviariam os resultados dos exames aos médicos via internet móvel. “Você poderia comprar na farmácia o cartucho da doença que gostaria de examinar e enviar os resultados para o seu médico”, disse o engenheiro.

Faghri acredita que o novo exame ajudará a reduzir os custos dos planos de saúde. O microlaboratório e o aplicativo para o celular deverão ser comercializados em até dois anos.

Continua após a publicidade

Publicidade