Clique e assine a partir de 9,90/mês

Microcefalia ocorre em 1% dos casos de grávidas com zika

O novo estudo foi baseado em dados do surto do vírus na Polinésia Francesa. Não é possível, contudo, saber se estimativas podem ser aplicadas ao Brasil

Por Da Redação - 16 mar 2016, 15h32

O risco de grávidas infectadas por zika no primeiro trimestre da gestação terem um bebê com microcefalia é de aproximadamente 1%. A conclusão é de um estudo publicado terça-feira, na revista científica The Lancet, com base em dados do surto do vírus na Polinésia Francesa entre 2013 e 2014.

“Estimamos que o risco de microcefalia foi de 1 a cada 100 mulheres infectadas com o vírus da zika durante o primeiro trimestre da gravidez. Os achados são da epidemia de 2013 e 2014 na Polinésia Francesa e ainda será preciso observar se nossas descobertas se aplicam da mesma forma a outros países”, disse Simon Cauchemez, pesquisador do Instituto Pasteur de Paris, na França, e um dos autores do estudo.

De acordo com o pesquisador, o risco de microcefalia associada ao zika é bem menor do que o risco da malformação associada a outras infecções. Por exemplo, uma grávida com citomegalovírus no primeiro trimestre tem uma probabilidade 13% maior de ter um filho com o problema. A síndrome da rubéola congênita, por sua vez, afeta de 38% a 100% dos bebês cujas mães foram infectadas no mesmo período.

O problema é que o potencial de propagação do zika é muito maior do que as outras possíveis causas da microcefalia, o que faz com que ela possa atingir um número muito maior de mulheres.

Continua após a publicidade

Leia também:

Zika pode estar associado a mais dois graves distúrbios neurológicos

OMS recomenda que grávidas não visitem áreas afetadas pelo zika

Cauchemez e sua equipe chegaram a esta estimativa tomando como base o número de nascimentos durante o surto, a quantidade de bebês diagnosticados com microcefalia, os casos positivos para o zika vírus e o número de casos suspeitos da infecção. O surto de zika na Polinésia Francesa (território francês localizado no Pacífico Sul) atingiu mais de 31 mil pessoas (66% da população) entre outubro de 2013 e abril de 2014.

Continua após a publicidade

“As informações da Polinésia Francesa são particularmente importantes, já que o surto já acabou. Isso nos dá um conjunto de dados pequeno, mas muito mais completo do que aquele disponível em uma epidemia em curso. Muitas outras pesquisas são necessárias para entender como o vírus da zika pode causar microcefalia. Nossos achados apoiam as recomendações da OMS para mulheres grávidas se protegerem das picadas dos mosquitos”, disse Arnaud Fontanet, coautor do estudo.

Em um editorial que acompanhou o estudo, a pesquisadora brasileira Laura Rodrigues, da London School of Hygiene and Tropical Medicine, na Grã-Bretanha, ressalta que são necessárias mais pesquisas para se chegar a uma conclusão sobre a relação entre microcefalia e o vírus da zika.

Os autores ressaltam que, apesar dos resultados, são necessários mais estudos tanto para entender melhor a relação entre o vírus e a microcefalia quanto para observar se essa estimativa se aplica em outros países, como o Brasil.

CDC – Na terça-feira o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês), pediu que aos milhares de universitários que viajam durante as férias para países afetados pelo zika vírus que redobrem as medidas de prevenção para evitar a contaminação.

Continua após a publicidade

Em mensagem publicada nas redes sociais, o CDC recomendou que os jovens usem roupa adequada, repelente e preservativo para reduzir as chances de contrair a doença. Muitos dos destinos procurados pelos universitários durante o “spring break” estão na América Latina e registraram surtos da doença.

“Muitos destinos no Caribe, na América Central e na América do Sul reportaram zika. Faça uma mala ‘inteligente’ para as férias para prevenir o zika”, dizia a mensagem dos CDC dirigida aos jovens.

Cuba – Cuba anunciou o primeiro caso de zika vírus transmitido dentro do país. De acordo com a imprensa local, a paciente é uma jovem de 21 anos, moradora de Havana, que não viajou para o exterior e foi diagnosticada com a doença após relatar sintomas como dores de cabeça, fadiga, entre outros. O país já havia relatado diversos casos da doença em pessoas que tinham viajado para destinos com surtos do vírus, mas até então, nenhum autóctone.

(Da redação)

Publicidade