Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Menopausa causada por cirurgia pode aumentar risco de danos cognitivos

De acordo com pesquisadores, falta do hormônio feminino estrogênio, produzido nos ovários, pode ser a causa do problema

Mulheres que entram na menopausa prematuramente, em virtude de cirurgias de remoção dos ovários, podem apresentar um risco duas vezes maior de perda cognitiva e demência. Os autores do estudo, publicado nesta quinta-feira no periódico Brain, acreditam que isso se deve à perda do estrogênio, hormônio feminino produzido pelos ovários.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Hypersensitivity of the hippocampal CA3 region to stress-induced neurodegeneration and amyloidogenesis in a rat model of surgical menopause

Onde foi divulgada: periódico Brain

Quem fez: Quan-guang Zhang, Rui-min Wang, Erin Scott, Dong Han, Yan Dong, Jing-yi Tu, Fang Yang, Gangadhara Reddy Sareddy, Ratna K. Vadlamudi e Darrell W. Brann

Instituição: Universidade Georgia Regents, nos EUA

Resultado: Ratos que tiveram os ovários removidos e não fizeram a reposição do hormônio estrogênio (ou a fizeram tardiamente) apresentaram danos cerebrais maiores em consequência de um acidente vascular cerebral, em relação àqueles que fizeram a reposição logo após o procedimento cirúrgico.

A pesquisa foi realizada com ratos fêmeas que tiveram os ovários removidos. Alguns dos animais começaram a receber terapia de reposição de estrogênio logo após a cirurgia, outros começaram dez semanas mais tarde e os demais nunca fizeram a reposição.

Os pesquisadores então provocaram um acidente vascular cerebral no hipocampo dos ratos, região do cérebro relacionada ao aprendizado e à memória. Os roedores que começaram o tratamento com estrogênio tardiamente ou que não o fizeram sofreram danos maiores no cérebro, especialmente em uma região do hipocampo denominada CA3, que normalmente é resistente a derrames.

Os ratos não tratados ou tratados tardiamente também desenvolveram uma produção anormal de proteínas relacionadas à doença de Alzheimer e um aumento na produção de radicais livres no cérebro. Quando os pesquisadores impediram essa produção excessiva, o aumento da sensibilidade a derrames e de morte de células na região CA3 foi reduzido.

Esses sintomas foram específicos para o gênero feminino: ratos que tiveram os testículos removidos não apresentaram um risco maior de danos cerebrais.

De acordo com os pesquisadores, apesar de o mecanismo responsável por essas descobertas ainda ser desconhecido, o estrogênio parece proteger mulheres jovens de derrames e de ataques cardíacos. Após a menopausa, esse risco aumenta para elas até quase se igualar ao dos homens.

Leia também:

Especialista tira dúvidas sobre menopausa

Quando aparecem os primeiros sintomas do Alzheimer?