Clique e assine a partir de 9,90/mês

Médicos fazem novo protesto contra importação de profissionais estrangeiros

Manifestações em todo o país deverão ocorrer ao longo desta terça-feira. A classe também é contra a alteração no curso de medicina proposta pelo governo federal, que obriga os alunos a trabalhar no SUS antes de se formarem

Por Da Redação - 16 jul 2013, 09h04

Médicos e estudantes de todo o país farão nesta terça-feira uma nova manifestação contra a importação de profissionais estrangeiros para atuar no Sistema Único de Saúde (SUS) e contra o aumento em dois anos da graduação em medicina – tempo que será usado para que o aluno trabalhe na rede pública. Essas mudanças foram anunciadas pelo governo federal na semana passada.

Leia também:

Alunos de medicina terão de atuar por dois anos no SUS

Sob pressão das ruas, governo anuncia ampliação de vagas para médicos residentes

Em São Paulo, os profissionais planejam fazer um cortejo fúnebre para �enterrar� a presidente Dilma Rousseff e os ministros da Saúde, Alexandre Padilha, e da Educação, Aloizio Mercadante. Eles sairão às 16 horas da sede do Conselho Regional de Medicina, na Consolação, e seguirão até a Praça Roosevelt. Os horários e a forma como os protestos serão conduzidos ficaram a critério dos conselhos regionais de medicina de cada estado.

Continua após a publicidade

As entidades médicas devem anunciar também nesta terça-feira as medidas jurídicas que vão tomar contra as decisões. A mais provável é uma ação direta de inconstitucionalidade, já que elas consideram inconstitucional obrigar o formando a trabalhar no SUS.

Leia também:

Medidas para a saúde são eleitoreiras”, diz presidente do CFM

Obrigar alunos de medicina a trabalhar no SUS é inconstitucional, dizem especialistas

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade