Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mamografia reduz em 30% as mortes por câncer de mama

Pesquisa revela que benefícios do exame são ainda maiores do que se pensava

Por Da Redação 28 jun 2011, 10h40

A maior pesquisa sobre mamografia realizada até hoje revela que fazer o exame regularmente é ainda mais benéfico à saúde da mulher do que se pensava. De acordo com o estudo, publicado no periódico especializado Radiology, o exame em mulheres acima dos 40 anos é capaz de reduzir em até 30% o número de mortes provocadas pelo câncer de mama – porcentagem que vem crescendo com o passar dos anos.

Durante a pesquisa, que levou sete anos para ser concluída, os cientistas dividiram em dois um grupo de 130.000 voluntárias. O primeiro grupo de mulheres passaria por mamografias regulares e, o segundo, teria apenas cuidados habituais, como exame de toque. Dentro do intervalo da pesquisa, s mulheres entre 40 e 49 anos fizeram o exame a cada dois anos e as entre 50 e 74, a cada três.

Ao final, os pesquisadores descobriram que o grupo que passou pela mamografia de rotina teve um número de mortes 30% menor, quando comparado ao que teve apenas os cuidados habituais. “Quanto mais tempo os exames foram sendo repetidos, mais vidas podem ser salvas”, diz Stephen Duffy, professor da Universidade de Londres e coordenador do estudo.

“Nossos resultados indicam que a cada 1.000 mulheres examinadas por 10 anos, três mortes por câncer de mama podem ser prevenidas”, explica Duffy. O cientista afirma ainda que a maioria dessas mortes prevenidas teria acontecido mais de uma década depois que os exames começaram.

EUA – De acordo com Stamatia Destounis, pesquisadora da equipe, os exames de rotina trazem mais benefícios à saúde da mulher do que se sabia. Isso porque há poucos anos, nos Estados Unidos, esses exames foram desacreditados. De acordo com a diretriz que perdura no país até hoje, os exames de mamografia de rotina não são indicados para mulheres de 40 anos e devem ser feitos apenas em situações pontuais – como uma suspeita de câncer.

As mudanças, que teriam sido feitas para evitar gastos excessivos com os exames, contradiziam anos de alertas sobre a necessidade de exames de rotina para detectar o câncer de mama a partir de 40 anos. À época da publicação, especialistas e grupos de defesa protestaram contra as recomendações, argumentando que as novas indicações poderiam confundir as mulheres e resultar em mais mortes pelo câncer.

Clique nas perguntas abaixo para saber mais sobre o câncer de mama:

Dr. Antonio Wolff

O oncologista Antonio Wolff é especialista em câncer de mama. Está começando um projeto de pesquisa com 8.000 mulheres, que fará testes com dois remédios – trastuzumabe e lapatinibe. Os primeiros resultados deverão começar a aparecer em dois anos.

Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Wolff é pesquisador da Universidade Johns Hopkins há doze anos. Ali, atende pacientes duas vezes por semana e estuda, faz pesquisas, dá palestras. Seu foco é no que pode ser feito para melhorar a vida do paciente.

Prevenção Quais são os sintomas do câncer de mama? O autoexame é eficaz?

Vídeo

Continua após a publicidade

Há alguma mudança em hábitos de vida que previnem o câncer de mama?

Vídeo

Continua após a publicidade

A mastectomia preventiva é válida como prevenção? Quais são os critérios que devem ser levados em conta antes de se submeter a uma cirurgia do tipo?

Vídeo

Continua após a publicidade

É verdade que alguns hormônios podem estimular o crescimento de tumores? Quais são as consequências disso para o cotidiano das mulheres, que deixam de fazer reposição hormonal?

Vídeo

Continua após a publicidade

Qual a necessidade de fazer mamografia? Porque ainda não inventaram um método melhor, menos doloroso?

Vídeo

Continua após a publicidade

Tratamento O citrato de tamoxifeno é um remédio ainda utilizado nos EUA?

Vídeo

Continua após a publicidade

É verdade que a radioterapia pode não ajudar em nada – e até prejudicar?

Vídeo

Continua após a publicidade

Por que medicamentos iguais não funcionam da mesma forma para todas as pessoas?

Vídeo

Continua após a publicidade

Qual o risco do câncer voltar mais forte e em outros lugares do corpo após o término do tratamento?

Vídeo

Continua após a publicidade

Existem medicamentos para diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia?

Vídeo

Continua após a publicidade

Perguntas gerais Por que o câncer de mama é menos frequente nos homens?

Vídeo

Continua após a publicidade

Há registros de doentes que se curaram por completo após uma metástase e é possível uma sobrevida acima de cinco anos?

Vídeo

Continua após a publicidade

É possível participar das pesquisas conduzidas na Universidade Johns Hopkins?

Vídeo

Continua após a publicidade

Quais as probabilidades dos filhos de uma pessoa com câncer também desenvolverem a doença? E o que fazer para evitar?

Vídeo

Continua após a publicidade

Quais as chances de ter uma vida normal após o câncer?

Vídeo

Continua após a publicidade

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)