Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais Médicos custa R$ 542 milhões e ainda falta atendimento

De acordo com o Ministério, 71% dos registros ainda não foram liberados. Como não há exigência de licitações para passagens e hospedagens, os gastos com o programa podem ser maiores

O Ministério da Saúde estima investir ao menos 542 milhões de reais até dezembro no Mais Médicos. O valor inclui gastos assumidos desde o início das atividades, em agosto – mas que pode ser superado, pois o plano já funciona em sistema de emergência, sem a exigência de licitação para hospedagens e passagens aéreas. No entanto, médicos formados no exterior que já receberam registro provisório ainda esperam para começar a trabalhar pelo País.

Além disso, como 71% dos registros profissionais ainda não foram liberados pelos conselhos regionais, os profissionais sem aval para trabalhar estão sendo pagos para conhecer as unidades, participar de reuniões e observar colegas em ação. Em São Paulo, essa é a rotina de 55 médicos.

Até a última quinta-feira houve 647 registros protocolados. Destes, 182 foram emitidos – 161 nas últimas duas semanas. De acordo com o cronograma do governo, os brasileiros com diplomas nacionais aprovados começam a trabalhar nesta terça-feira.

Em municípios da Grande Porto Alegre, nove profissionais com registro provisório ainda participavam na semana passada da ‘�territorialização’� – termo usado pelo ministério para definir a fase de contato com colegas da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Na última sexta-feira, apenas um deles prestava consultas. Dois já tinham registro e os outros seis receberam o documento na quinta e começam a trabalhar nesta segunda-feira.

No Nordeste, a realidade não é diferente. Desde a última terça-feira, a cubana Monica Lorenzo Perez tem o registro do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) e ainda não trabalha em Afogados da Ingazeira, no sertão. Por decisão do secretário municipal de Saúde, Gildázio Moura, Monica e sua colega Mirta Consuelo Leyva Suarez, que recebeu o registro três dias depois, ainda cumprem uma etapa de adaptação. “�Mesmo que os registros tivessem sido emitidos sem contratempo, nosso planejamento incluiria 15 dias de preparação.”�

Neste período de entrosamento, as médicas entraram em contato com dados epidemiológicos, com a rede municipal de saúde e com a estratégia de planejamento municipal com relação à atenção básica. Conheceram as condições de vida da população rural e urbana, foram à feira, e estão conhecendo a linguagem e os costumes do povo.

À espera – Médicos que ainda aguardam pelo registro seguem a mesma rotina: ‘territorialização’ sem atendimento nenhum. Depois de 30 anos exercendo a medicina na Itália, a brasileira Silvana Picozzi conta que aderiu ao Mais Médicos para �ajudar� a população. “�Eu queria trabalhar com a população que mais precisa e o programa veio na hora certa”�, disse. Ela é um dos cinco médicos destinados pelo programa a Indaiatuba, interior de São Paulo.

Leia também:

Atraso no Mais Médicos custa R$ 2,2 mi ao governo federal

Parlamentares adiam votação da MP dos Médicos

Conselhos estão cumprindo prazo para liberação de registros, diz CFM

AGU acusa conselhos de medicina de ‘ação orquestrada’ contra Mais Médicos

(Com Estadão Conteúdo)