Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Jovens que já tiveram Covid-19 não estão protegidos contra reinfecção

Novo estudo alerta para a necessidade de pessoas jovens serem vacinadas mesmo que já tenham contraído a doença e se recuperado

Por Giulia Vidale Atualizado em 15 abr 2021, 19h10 - Publicado em 15 abr 2021, 20h00

Um novo estudo revelou que pessoas jovens que já tiveram Covid-19 não estão totalmente protegidos contra reinfecção. Publicado na revista científica The Lancet Respiratory Medicine, o estudo revela que os anticorpos gerados contra o SARS-CoV-2 durante uma infecção ativa fornecem alguma proteção em adultos jovens, mas não garantem imunidade. O que aumenta ainda mais a necessidade de vacinar mesmo pessoas previamente infectadas.

Para chegar a essa conclusão, pesquisadores da Marinha dos Estados Unidos e da Escola Icahn de Medicina em Mount Sinai, também nos EUA, observaram mais de 3.000 recrutas ​do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, a maioria com idade entre 18 e 20 anos. Os resultados mostraram que aqueles que não haviam sido infectados anteriormente com SARS-CoV-2 tiveram um risco cinco vezes maior de contrair a doença do que os participantes que foram previamente infectados. No entanto, essas pessoas ainda apresentavam algum risco de se reinfectar.

Para entender por que essas reinfecções ocorreram, os autores estudaram as respostas de anticorpos dos participantes reinfectados e não infectados. Eles descobriram que, entre o grupo soropositivo (que já havia sido infectado previamente), os participantes que foram reinfectados tinham níveis mais baixos de anticorpos contra o novo coronavírus, em comparação com aqueles que não foram reinfectados. Além disso, essas pessoas também apresentavam menos anticorpos neutralizantes.

Em  relação à carga viral, os participantes reinfectados tinham uma carga viral em média 10 vezes menor do aqueles que foram infectados pela primeira vez. O que pode significar que eles ainda tem capacidade de transmitir a doença. A maioria dos casos de Covid-19 no estudo foram assintomáticos ou com sintomas leves. Nenhum dos participantes foi hospitalizado.

“À medida que a campanha de vacinação continua ganhando impulso, é importante lembrar que, apesar de uma infecção anterior pela Covid-19, os jovens podem pegar o vírus novamente e ainda transmiti-lo a outras pessoas. A imunidade não é garantida por infecção anterior, e vacinas que forneçam proteção adicional ainda são necessárias para aqueles que tiveram a doença”, disse Stuart Sealfon, da professor da Escola de Medicina Icahn em Mount Sinai, EUA, e autor sênior do estudo, em comunicado.

Os autores admitem que o estudo tem algumas limitações, como o fato de ter sido feito em um ambiente “controlado” e de extremo contato, já que os participantes estavam em bases de treinamento da Marinha. Diante disso, eles ressaltam que embora o risco de reinfecção entre jovens encontrado no estudo se aplique a outras situações, essa taxa de reinfecção pode não ser aplicável ​a outros lugares. Estudos anteriores encontraram uma taxa significativamente mais baixa de reinfecção em situações normais.

De qualquer forma, os pesquisadores alertam para esse risco e para a importância de mesmo pessoas jovens que já tiveram a doença serem vacinadas. “A mensagem para todos os jovens, incluindo nossos militares, é clara – a imunidade resultante de infecções naturais não é garantida; você ainda precisa ser vacinado, mesmo que tenha tido Covid-19 e se recuperado”, disse o tenente Dawn Weir, do Navy Medical Research Center, nos EUA.

Continua após a publicidade
Publicidade