Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Imagens em maços de cigarro são mais efetivas para combater o fumo

Pesquisa mostrou que os alertas sobre os malefícios do cigarro têm maior impacto se forem acompanhados por fotos

Os avisos estampados nas embalagens de cigarro que usam imagens para mostrar as consequências do hábito de fumar são mais efetivos para alcançar fumantes adultos, de acordo com uma nova pesquisa que será publicada na edição de dezembro da revista American Journal of Preventive Medicine. Embora pesquisas anteriores mostrem que os avisos realmente funcionam para avisar a população sobre os malefícios do cigarro, essa é a primeira a mostrar que o uso de fotografias têm um impacto maior entre os fumantes, principalmente entre aqueles que não costumam ser atingidos por outros tipos de campanha.

Mais de 40 países ao redor do mundo, incluindo o Brasil, obrigam os maços de cigarro a estamparem fotografias que mostrem os malefícios do produto (a Anvisa, no entanto, pensa em mudar a regulação e usar imagens menos chocantes). Nos Estados Unidos, a regra deveria entrar em vigor em 2012, mas a indústria do tabaco conseguiu adiar sua implementação na justiça, ao reclamar que os avisos violavam sua liberdade de expressão. “Nós necessitamos de mais dados sobre qual é a resposta dos consumidores americanos a esses avisos. Nosso estudo tenta responder essa questão, ao se focar na reação entre os fumantes de baixa renda. Nesse grupo, o fumo continua prevalente, uma vez que eles não foram atingidos pelas intervenções anteriores de controle ao tabaco”, diz James Thrasher, pesquisador da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

Os cientistas avaliaram cerca de 1.000 fumantes adultos da Carolina do Sul entre julho de 2011 e janeiro de 2012. Para participar do estudo, o voluntário deveria ter fumado pelo menos 100 cigarros em sua vida e ter o hábito de fumar todos os dias. Eles foram recrutados em lugares públicos, incluindo supermercados e eventos esportivos, em áreas de baixa renda.

Leia também:

Em 20 anos, leis antifumo reduziram o tabagismo no Brasil pela metade

Variação genética pode determinar quantidade de cigarros que uma pessoa fuma

Reações – Cerca de um quinto dos participantes participou de um grupo de controle, que avaliou os avisos atualmente usados nas embalagens americanas. Esses avisos usam apenas textos para alertar contra o câncer de pulmão, doenças do coração, enfisema, complicações na gravidez e inalação de monóxido de carbono. Os outros voluntários avaliaram nove pacotes diferentes, que estampavam fotos representando uma variedade de problemas de saúde, como câncer e doenças do coração e do pulmão, causadas inclusive pelo fumo passivo. As imagens mostravam órgãos doentes e humanos sofrendo.

Os voluntários marcaram suas reações aos avisos de acordo com a credibilidade, relevância pessoal, e efetividade do alerta. “As avaliações de relevância pessoal e efetividade dos avisos com fotos em comparação com os avisos com textos não foram diferente entre grupos com grande e pouco conhecimento da área da saúde. No entanto, os fumantes com pouco conhecimento avaliaram que os avisos com fotos tinham mais credibilidade que os que tinham apenas textos” diz James Thrasher.

Segundo o pesquisador, o resultado sugere que o governo americano deveria considerar o uso de imagens mais gráficas a fim de aumentar o impacto dos avisos entre populações diferentes de fumantes adultos.