Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hospital de Brasília isola três bebês com superbactéria

Recém-nascidos estavam em UTI neonatal e exames de rotina mostraram a presença da bactéria KPC. Eles não desenvolveram infecções e passam bem

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal isolou nesta quinta-feira três recém-nascidos que estavam internados na UTI neonatal do Hospital Materno Infantil de Brasília. A medida foi tomada depois da descoberta de que os bebês estavam com a bactéria KPC (Klebsiella pneumoniae), resistente a antibióticos. Os bebês não desenvolveram infecções e passam bem.

De acordo com a secretaria, a medida foi adotada para evitar a propagação do micro-organismo. A descoberta foi feita em uma vistoria de rotina, antes que a bactéria se multiplicasse. Os bebês estão isolados para segurança dos demais pacientes e monitorados o tempo todo. De acordo com a assessoria de imprensa da secretaria, a UTI não foi interditada.

Leia também:

A era pós-antibiótico ​

Cientistas descobrem ‘ponto fraco’ em superbactéria

A KPC – A KPC foi a primeira bactéria resistente a antibióticos identificada pelos médicos, nos Estados Unidos. Trata-se de uma versão resistente da bactéria Klebsiella pneumoniae, que pode causar pneumonia e infecção urinária. A preocupação surgiu porque cerca de 20% das contaminações pela KPC podem não ser vencidas por nenhum antibiótico. Ou seja, ela causa uma infecção simples, imune a grande parte dos remédios conhecidos.

De acordo com um levantamento do Ministério da Saúde, a bactéria matou 106 pessoas em 2010 e 2011 no Brasil. Em 2009, 18 pacientes morreram por conta de infecções pela bactéria no Distrito Federal. A transmissão ocorre por meio do contato direto, como tocar a pessoa contaminada, ou indireto, por meio do uso de um objeto comum.

(Com Agência Brasil)