Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Headbanging’ em show do Motörhead causa hematoma cerebral em metaleiro

No periódico "The Lancet", médicos relatam caso de paciente diagnosticado com lesão no cérebro depois de chacoalhar a cabeça no espetáculo

Comum nos shows de heavy metal, o headbanging, ou bate-cabeça, em português, pode ter efeitos maléficos no cérebro, de acordo com um relato de caso publicado na quinta-feira no periódico The Lancet. Médicos da Faculdade de Medicina de Hannover, na Alemanha, detalharam o primeiro episódio de sangramento cerebral em um homem causado pela dança.

CONHEÇA O CASO

Título original: Chronic subdural haematoma secondary to headbanging​

Onde foi divulgada: periódico The Lancet

Quem fez: Ariyan Pirayesh Islamian, Manolis Polemikos e Joachim K Krauss.

Instituição: Faculdade de Medicina de Hannover, na Alemanha​

Resultado: Médicos constataram que um homem de 50 anos teve um hematoma no cérebro depois de fazer headbanging em show da banda Motörhead

O headbanging é o movimento violento que os metaleiros cabeludos fazem com a cabeça, seguindo o ritmo do heavy metal. A dança costuma ser inofensiva, embora existam relatos de traumas como dissecção da artéria carótida interna (ruptura da artéria, que passa pelo pescoço), entorse e fratura cervical.

Show do Motörhead – Em janeiro de 2013, um homem de 50 anos deu entrada no departamento de neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Hannover com queixa de dor de cabeça que durava duas semanas e piorava. O paciente não tinha histórico médico que explicasse a dor ou trauma recente na cabeça, mas relatou que fez headbanging num show da banda Motörhead.

Leia mais:

Pesquisa relaciona dor de cabeça e epilepsia

Tratamento com botox para dor de cabeça ajuda somente pacientes com enxaqueca crônica

Uma tomografia computadorizada do crânio confirmou que o homem apresentava um hematoma subdural crônico no lado direito do cérebro. Ele foi submetido a uma cirurgia para remover a lesão e utilizou um dreno por seis dias. A dor de cabeça diminuiu e, em dois meses, passou.

“Pode ser que a incidência desses hematomas seja maior, porque os sintomas costumam ser, no máximo, uma leve dor de cabeça, que passa espontaneamente”, diz Ariyan Pirayesh Islamian, coautor do estudo.