Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

HC promove hoje o Dia de Conscientização do Alzheimer

Por Da Redação 21 set 2011, 10h02

Por AE

São Paulo – Hoje, Dia Mundial do Alzheimer, neurologistas do Hospital das Clínicas (HC), da Faculdade de Medicina da USP, alertam para a doença, de causa desconhecida, que atinge 5% da população com mais de 65 anos. Após os 80, a prevalência da doença é de 15%. No Brasil, estima-se que 700 mil pessoas sofrem com o mal. Folhetos educativos também serão distribuídos para conscientização da população no Prédio dos Ambulatórios do Instituto Central do HC, por onde circulam mais de 10 mil pessoas por dia. As informações são da assessoria de imprensa do HC.

Segundo o neurologista Ricardo Nitrini, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado garantem ao paciente uma vida mais longa e com mais qualidade. Avaliações neuropsicológicas, fonoaudiológicas e exames de neuroimagem são os principais instrumentos para uma rápida comprovação.

“Quanto mais cedo o mal de Alzheimer for identificado, mais tempo o paciente manterá suas funções cognitivas preservadas”, explica Nitrini, também coordenador do Centro de Referência em Distúrbios Cognitivos do HC (Ceredic), de acordo com texto de divulgação.

O Mal de Alzheimer é uma doença degenerativa que causa a morte gradual dos neurônios, provoca perda de memória e de outras funções cognitivas, como raciocínio, juízo crítico, orientação e outras. No início, a pessoa apresenta pequenos lapsos de memória, alterações de comportamento, desorientação espacial e dificuldadesem realizar tarefas corriqueiras, como se alimentar ou se vestir. Nos estágios mais avançados, não reconhece os familiares e nem os amigos. Com o tempo, perde a identidade e tornar-se dependente.

A assistência deve obedecer cada fase da evolução do processo demencial para melhoria dos sintomas, explica Nitrini, uma vez que não há tratamento capaz de impedir ou curar a doença. Nas fases iniciais e intermediárias predominam-se as técnicas de reabilitação, as táticas de readaptação e os psicofármacos. Na fase avançada, o tratamento é voltado a co-morbidades, comuns em pacientes com afecções crônicas debilitantes e aos cuidados de enfermagem.

AE

Continua após a publicidade
Publicidade