Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Grã-Bretanha autoriza reprodução assistida com ‘três pais’

A nação é a primeira a legalizar a técnica que pode prevenir doenças herdadas geneticamente

Por Da Redação
26 fev 2015, 13h51

A Câmara dos Lordes aprovou na terça-feira a reprodução assistida com genes de três pessoas. No começo do mês a medida já havia sido aprovada pela Câmara dos Comuns, e agora o Estado se torna o primeiro a legalizar a técnica. A denominada doação mitocondrial tem como objetivo evitar a transmissão de doenças genéticas.

Doação de mitocôndria
Doação de mitocôndria (VEJA)

O tratamento é conhecido como fertilização in vitro com “três progenitores” porque os bebês, nascidos a partir de embriões geneticamente modificados, carregariam o DNA de uma terceira doadora, além dos da mãe e do pai.

A técnica mistura o DNA mitocondrial de uma doadora saudável com o núcleo do óvulo da mãe, que contém o DNA comum e é responsável por nossas características físicas e a maior parte das condições de saúde. Com isso, espera-se evitar doenças como problemas cardíacos, insuficiência hepática, distúrbios cerebrais, cegueira e distrofia muscular hereditária.

Continua após a publicidade

Mayana Zatz, geneticista da Universidade de São Paulo, explica que o DNA da mitocôndria corresponde a apenas 0,02% dos genes de uma pessoa, enquanto os demais 99,8% são o DNA que está no núcleo das nossas células. Por isso, não é correto dizer que a criança terá duas mães. “O DNA está quase todo no núcleo. É o mesmo que dizer isso de uma pessoa que passou por um transplante, por exemplo”, afirma Mayana.

Leia também:

Nascidos por reprodução assistida chegam a 5 milhões

Continua após a publicidade

Avanço – Embora a técnica ainda esteja em fase de pesquisa na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, os especialistas acreditam que, agora que os obstáculos legais foram superados, o primeiro bebê de “três pais” nasça na Grã-Bretanha em 2016.

“A decisão garantirá que mães que carregam mitocôndrias defeituosas possam ter filhos saudáveis, livres das condições devastadoras”, comemorou Mark Downs, presidente da Sociedade de Biologia.

Estima-se que doenças mitocondriais leves afetem uma a cada 200 crianças nascidas, e os casos mais severos, uma a cada 6 000.

Continua após a publicidade

(Da redação de VEJA.com)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.