Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo de SP muda regras e estende período de funcionamento do comércio

Em regiões que estão na fase laranja, estabelecimentos comerciais poderão funcionar 6 horas por dia em 4 vezes por semana

Por Da redação Atualizado em 2 jul 2020, 19h45 - Publicado em 2 jul 2020, 14h36

O governo do estado de São Paulo anunciou nesta quinta-feira, 2, alterações nas regras de funcionamento do comércio em regiões que estão na fase 2, laranja, do Plano SP de retomada na pandemia de coronavírus.

De acordo com Patrícia Ellen, secretária do Desenvolvimento Econômico do estado de São Paulo, será publicado um decreto permitindo o funcionamento de estabelecimentos comerciais durante seis horas por dia, desde que abram as portas apenas quatro dias na semana. A medida passa a valer a partir da próxima semana. Atualmente, o plano prevê o funcionamento desses locais todos os dias da semana, mas por somente quatro horas diárias. A mudança será opcional.

LEIA TAMBÉM: O que fazer com as cirurgias suspensas por causa da pandemia de Covid-19

“Nós fizemos a avaliação da operação que existe hoje recomendada de quatro horas com o funcionamento de 20% da capacidade e o ponto que o Centro de Contingência colocou aqui como opcional seria o funcionamento por seis horas durante quatro dias úteis. Operando quatro dias, fechando três dias, para que isso viabilize um melhor planejamento do comércio e garantindo a segurança no aspecto de saúde. Então, esse foi o ponto aqui aprovado e autorizado que será incluído como uma das respostas dos pleitos setoriais e será aqui objeto do decreto que será publicado nos próximos dias para funcionamento a partir da semana que vem na fase laranja”, disse Patrícia Ellen, secretária do Desenvolvimento Econômico, durante coletiva de imprensa realizada nesta quinta.

Devido ao aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI, o Centro de Contingência do Coronavírus do estado de São Paulo recomendou que o município de Itaquaquecetuba, localizado na Grande São Paulo, retroceda no avanço da flexibilização do plano econômico. A indicação é que o município, que está na fase laranja e já pode abrir o comércio com restrições, volte para  a fase vermelha, mais restritiva, onde é permitido o funcionamento apenas dos serviços essenciais.

“O Centro de Contingência avaliou os indicadores utilizados no Plano São Paulo para esse município que mostra uma taxa de ocupação muito alta de leitos de UTI bem acima de 80%, e taxas de epidemia, de aumento de internações muito elevadas, de forma que o Centro de Contingência recomenda que esse município institua a fase de quarentena no nível vermelho”, afirmou Paulo Menezes, coordenador do centro.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

Recorde de casos

O estado de São Paulo bateu, nesta quinta-feira, 2, recorde no número de casos registrados em 24 horas. Foram 12.244 casos, 70% deles “casos agudos”, de acordo com Menezes. Os “casos agudos” referem-se a pessoas que foram diagnosticadas pelo exame RT-PCR, que identifica partículas do vírus no organismo e indica uma infecção ativa. Já os exames sorológicos identificam anticorpos e indicam pessoas que já tiveram contato com o vírus, mas não necessariamente estão infectadas no momento do exame.

No mesmo período foram confirmadas 321 mortes no estado, totalizando 15.351 óbitos e 302.179 casos. A taxa de letalidade é de 5,1% e a taxa de ocupação de leitos de UTI é de 64,1% no estado e 64,7% na Grande São Paulo. Atualmente, 5.622 pacientes com diagnóstico suspeito ou confirmado de coronavírus estão internados em leitos de UTI em todo o estado e 8.331 em enfermaria.

A previsão do governo é que até 15 de julho, o estado terá entre 18.000 e 23.000 mortes causadas pela doença e de 335.000 a 470.000 casos confirmados de Covid-19.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade