Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo de SP libera R$ 3 milhões para Santa Casa

Verba será usada para comprar de remédios e material hospitalar

Por Da Redação 24 dez 2014, 13h50

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou nesta quarta-feira a liberação, de forma emergencial e a fundo perdido, de R$ 3 milhões para que a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. A entidade passa por grave crise financeira, com dívida superior a R$ 770 milhões.

O valor liberado por Alckmin é destinado à aquisição de insumos (medicamentos e material hospitalar), não para o pagamento de salários e décimo terceiro dos funcionários, que estão atrasados. Segundo o governador, a Caixa Econômica Federal deverá liberar R$ 44 milhões no início de janeiro para que esses pagamentos sejam feitos.

Para obter o empréstimo da Caixa, a Santa Casa aprovou na terça-feira a venda de um imóvel localizado na Avenida Paulista, avaliado em cerca de R$ 70 milhões. Também foi aprovado o afastamento do provedor da entidade, Kalil Rocha Abdalla.

Leia também:

Pressionado, provedor da Santa Casa anuncia afastamento

Santa Casa de São Paulo suspende 25 tipos de exames

De acordo com o superintendente da Santa Casa, Irineu Massaia, a entidade segue atendendo pacientes de emergência, mas fará um contingenciamento dos casos eletivos, como consultas e exames não emergenciais. Segundo ele, embora a dívida não se resolva em dois anos, a ideia é que a gestão esteja equilibrada nesse prazo.

Uma das ideias para equilibrar as contas, segundo o secretário de Saúde, David Uip, é passar um dos dois prédios da entidade para a saúde suplementar. “Nós entendemos que há duplicidade de investimentos e custo. São dois centros cirúrgicos, duas UTIs, e uso do Santa Isabel 2 está diminuindo. Então a Santa Casa passa o segundo prédio para a saúde suplementar, com o objetivo de otimizar o Santa Isabel 1 e tirar o custo do segundo prédio, que custa de aluguel quase R$ 500 mil por mês”, disse.

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade