Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo brasileiro passa a adotar dose única contra febre amarela

Medida anunciada pelo ministro da Saúde segue recomendação da OMS e dispensa a 'dose de reforço' da vacina

Por Da redação Atualizado em 5 abr 2017, 23h58 - Publicado em 5 abr 2017, 23h54

O governo brasileiro vai passar a adotar a dose única da vacina contra febre amarela, dispensando a chamada “dose de reforço”, que era recomendada até então. A medida, que segue orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema, foi anunciada nesta quarta-feira pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Com a decisão, as pessoas que já tomaram uma dose não precisarão mais se vacinar contra febre amarela ao longo da vida. Estudos da OMS atestaram a eficácia da dose única, sem necessidade de complementação, e em 2014 a organização recomendou a mudança. Na época, porém, o ministério da Saúde entendeu que eram necessárias mais pesquisas antes da adoção do protocolo.

  • Em entrevista coletiva, Barros disse ainda que o governo prepara a rede pública para um possível fracionamento das doses. A medida seria emergencial, para imunizar o maior número de pessoas possível. Pesquisas indicam que a dose fracionada protege por pelo menos um ano. Caso a medida venha a ser adotada, um frasco com cinco doses poderá vacinar até 25 pessoas.

    Casos

    Desde dezembro do ano passado, quase 2 mil casos de febre amarela foram notificados em todo o país, dos quais 586 foram confirmados e causaram 190 mortes. No mesmo período, cerca de 16,5 milhões de doses da vacina foram aplicadas, e apenas 192 causaram reações graves, como por exemplo a contaminação pelo vírus. Estes últimos números, porém, ainda estão em investigação.

    (Com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade