Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Fiocruz entrega 5,9 milhões de doses da vacina de Oxford neste sábado

Ministério da Saúde anunciou que três remessas de vacinas da Pfizer, totalizando 2,3 milhões de doses, chegam ao país na próxima semana

Por Giulia Vidale 29 Maio 2021, 11h35

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) irá entregar neste sábado, 29, mais 5,9 milhões de doses de Oxford-AstraZeneca ao governo federal. As vacinas serão enviadas ao centro de distribuição do Ministério da Saúde, na cidade de Guarulhos (SP), de onde começam a ser distribuídas aos estados ainda hoje. Apenas o quantitativo do estado do Rio de Janeiro será entregue diretamente pela Fiocruz, já que a unidade de fabricação fica na capital fluminense.

O novo lote totaliza 46 milhões de doses de vacinas entregues pelo consórcio. A previsão é que até o início de julho, a Fundação Oswaldo Cruz entregue mais 16 milhões de doses, totalizando 62 milhões de imunizantes.

Vacina da Pfizer

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado que três remessas de vacinas da Pfizer, totalizando 2,3 milhões de doses, chegam ao país na primeira semana de junho. Os imunizantes chegarão pelo Aeroporto de Viracopos, em Campanhas (SP), de forma escalonada, em voos diferentes.

Inclusão de novos públicos

O Ministério da Saúde anunciou a sexta-feira, 28, o início da vacinação contra Covid-19 da população com idades entre 18 e 59 anos, sem comorbidades. O cronograma será organizado em ordem decrescente de idade. Os grupos prioritários continuarão a ser imunizados, mas a pasta irá começar a enviar doses aos estados, de forma escalonada, para iniciar a imunização deste público. “Isso porque estados e municípios relataram demanda diminuída dos grupos elencados no plano de vacinação”, disse o Ministério, em comunicado.

A pasta também anunciou a inclusão dos profissionais da educação na campanha de vacinação, paralelamente com a população em geral. A ordem de prioridade destes profissionais é: creches, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA (Educação de Jovens e Adultos) e, por último, ensino superior. A decisão foi motivada pelo retorno das aulas presenciais.

 

Continua após a publicidade
Publicidade