Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo liga uso de analgésicos ao aborto espontâneo

Pesquisa aponta que mulheres que tomam essas drogas no início da gestação correm até 2,4 vezes mais riscos de perder o feto

Mulheres que fazem uso de analgésicos comuns, como o naproxeno e o ibuprofeno, no início da gravidez têm até 2,4 vezes mais chances de sofrer um aborto espontâneo. De acordo com um estudo publicado no Canadian Medical Association Journal, os riscos abrangem todo o grupo dos anti-inflamatórios não esteroides (exceto a aspirina) – usados para combater a inflamação, dor e febre.

Saiba mais

  1. Prostaglandina: ácidos graxos que funcionam como hormônios locais. Sua produção no endométrio é regulada pelos hormônios estrogênio e progesterona. Durante a gravidez, o aumento na concentração da prostaglandina provoca a contração do endométrio e, assim, a expulsão do feto
  2. Anti-inflamatório não esteroide: grupo de medicamentos usados para controlar a dor, a febre e a inflamação. Entre as drogas mais conhecidas estão o ácido acetilsalicílico, o ibuprofeno e o naproxeno

Para chegar aos resultados, pesquisadores analisaram os dados de 52.000 mulheres de Quebec, no Canadá, que haviam engravidado. Descobriu-se, então, que aquelas que usaram drogas anti-inflamatórias não esteroides (AINE) depois da concepção tinham 2,4 mais riscos de ter um aborto espontâneo. Entre as drogas analisadas estavam diclofenaco, naproxeno, celecoxib, ibuprofeno e rofecoxib.

Segundo os pesquisadores, o estudo não conseguiu comprovar que os medicamentos, por si só, causam o aborto espontâneo, apenas que existe uma relação entre os dois. “Não posso dizer com 100% de segurança que é uma relação de causa e efeito, mais isso pode ser muito bem um efeito farmacológico”, disse Anick Bérard, responsável pela pesquisa, em entrevista à agência de notícias Reuters.

No organismo – Algumas pesquisas anteriores já haviam relacionado os AINE a um aumento no índice de abortos espontâneos. Isso porque os níveis de um ácido graxo chamado prostaglandina declinam no útero durante o início da gravidez, e os AINE são conhecidos por afetarem a produção da prostaglandina. A teoria seria, então, de que esses analgésicos causariam o aborto espontâneo ao interferirem com as mudanças normais da prostaglandina no inicio da gravidez.

Em geral, mulheres gravidas já são alertadas para evitar quaisquer medicamentos, quando possível. A orientação para aquelas que tomam medicamentos para condições crônicas, como lúpus, é procurar orientação médica. Há chances de que elas possam interromper o tratamento, especialmente porque algumas dessas doenças melhoram durante a gestação.