Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estudo liga uso de analgésicos ao aborto espontâneo

Pesquisa aponta que mulheres que tomam essas drogas no início da gestação correm até 2,4 vezes mais riscos de perder o feto

Por Da Redação 7 set 2011, 12h37

Mulheres que fazem uso de analgésicos comuns, como o naproxeno e o ibuprofeno, no início da gravidez têm até 2,4 vezes mais chances de sofrer um aborto espontâneo. De acordo com um estudo publicado no Canadian Medical Association Journal, os riscos abrangem todo o grupo dos anti-inflamatórios não esteroides (exceto a aspirina) – usados para combater a inflamação, dor e febre.

Saiba mais

  1. Prostaglandina: ácidos graxos que funcionam como hormônios locais. Sua produção no endométrio é regulada pelos hormônios estrogênio e progesterona. Durante a gravidez, o aumento na concentração da prostaglandina provoca a contração do endométrio e, assim, a expulsão do feto
  2. Anti-inflamatório não esteroide: grupo de medicamentos usados para controlar a dor, a febre e a inflamação. Entre as drogas mais conhecidas estão o ácido acetilsalicílico, o ibuprofeno e o naproxeno

Para chegar aos resultados, pesquisadores analisaram os dados de 52.000 mulheres de Quebec, no Canadá, que haviam engravidado. Descobriu-se, então, que aquelas que usaram drogas anti-inflamatórias não esteroides (AINE) depois da concepção tinham 2,4 mais riscos de ter um aborto espontâneo. Entre as drogas analisadas estavam diclofenaco, naproxeno, celecoxib, ibuprofeno e rofecoxib.

Segundo os pesquisadores, o estudo não conseguiu comprovar que os medicamentos, por si só, causam o aborto espontâneo, apenas que existe uma relação entre os dois. “Não posso dizer com 100% de segurança que é uma relação de causa e efeito, mais isso pode ser muito bem um efeito farmacológico”, disse Anick Bérard, responsável pela pesquisa, em entrevista à agência de notícias Reuters.

No organismo – Algumas pesquisas anteriores já haviam relacionado os AINE a um aumento no índice de abortos espontâneos. Isso porque os níveis de um ácido graxo chamado prostaglandina declinam no útero durante o início da gravidez, e os AINE são conhecidos por afetarem a produção da prostaglandina. A teoria seria, então, de que esses analgésicos causariam o aborto espontâneo ao interferirem com as mudanças normais da prostaglandina no inicio da gravidez.

Em geral, mulheres gravidas já são alertadas para evitar quaisquer medicamentos, quando possível. A orientação para aquelas que tomam medicamentos para condições crônicas, como lúpus, é procurar orientação médica. Há chances de que elas possam interromper o tratamento, especialmente porque algumas dessas doenças melhoram durante a gestação.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)