Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo liga morte prematura ao consumo de carnes processadas

De acordo com pesquisadores, o risco aumenta 18% para cada 50 gramas consumidas desse alimento

Um estudo europeu relaciona o consumo de carnes processadas, como salsicha, salame e bacon, a um aumento do risco de morte prematura. A pesquisa foi realizada com 448.568 pessoas de 10 países europeus, que foram acompanhadas por 13 anos. Os resultados foram publicados nesta quinta-feira, no periódico BMC Medicine.

Conheça a pesquisa

TÍTULO ORIGINAL: Meat consumption and mortality – results from the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition

ONDE FOI DIVULGADA: periódico BMC Medicine

QUEM FEZ: Sabine Rohrmann, Kim Overvad, H Bas Bueno-de-Mesquita, Marianne U Jakobsen, Rikke Egeberg, Anne Tjonneland, Laura Nailler, Marie-Christine Boutron-Ruault

INSTITUIÇÃO: Universidade de Zurique, Suíça

DADOS DE AMOSTRAGEM: 448.568 homens e mulheres de 10 países da Europa

RESULTADO: Para cada aumento de 50 gramas no consumo diário de carnes processadas, o risco de morte prematura aumenta 18%. Os riscos de morte por câncer e doenças cardiovasculares também foram aumentados: 11% para câncer e 30% para doenças cardiovasculares.

De acordo com os autores, uma dieta que envolve o consumo de uma grande quantidade de carne processada está relacionada a outras escolhas pouco saudáveis. Os dados mostram que as pessoas que consomem mais desse tipo de carne ingerem menos frutas e verduras e são mais propensas ao tabagismo. No caso dos homens, o consumo elevado de carnes processadas está relacionado à maior ingestão de bebidas alcoólicas.

Risco elevado – O risco de morte prematura aumentou de acordo com a quantidade de carne processada consumida, mesmo depois que os autores reduziram a influência de outros fatores, como estilo de vida. De acordo com o estudo, para cada aumento de 50 gramas no consumo diário de carnes processadas, o risco aumenta 18%. Os riscos de morte por câncer e doenças cardiovasculares também aumentaram: para cada 50 gramas a mais, o aumento do risco foi de 11% para câncer e 30% para doenças cardiovasculares.

Os pesquisadores estimam que 3% das mortes prematuras poderiam ser evitadas todos os anos se as pessoas consumissem menos de 20 gramas de carne processada por dia.

O estudo, realizado com dados da Investigação Europeia de Perspectivas de Câncer e Nutrição (European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition), também analisou as consequências do consumo de carne vermelha fresca e de aves, e não encontrou relação significativa.