Clique e assine com até 92% de desconto

Empresa americana de genoma identifica fatores genéticos associados à miopia

A partir da análise do DNA de mais de 50.000 pessoas, cientistas descobriram 20 condições genéticas que contribuem para o surgimento desse problema

Por Da Redação 14 mar 2013, 13h13

A empresa de genoma dos Estados Unidos 23andMe, que sequencia o DNA de milhares de pessoas para identificar fatores genéticos associados a doenças, descobriu 20 novas associações genéticas que desempenham um papel importante no surgimento da miopia, o mais comum entre todos os distúrbios visuais. Segundo os cientistas responsáveis pela pesquisa, essa descoberta pode ajudar futuros estudos a compreender melhor as interações que levam ao desenvolvimento da visão e que podem desencadear problemas como a miopia.

Saiba mais

Anne Wojcicki, em evento da empresa 23andMe, em Nova York
Anne Wojcicki, em evento da empresa 23andMe, em Nova York VEJA

23andME

A empresa de genoma pessoal do Vale do Silício foi fundada por Anne Wojcicki, que é casada com um dos fundadores do Google, Sergey Bin, e sua sócia, Linda Avey. O nome 23andMe se refere aos 23 pares de cromossomos que um ser humano tem e que carregam o nosso material genético. Inicialmente, as pessoas pagavam 999 dólares para que, a partir de suas salivas, tivessem seus DNAs sequenciados. Em 2008, no lançamento europeu da empresa, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, as personalidades presentes no evento, como Naomi Campbell, Thomas Friedman e Peter Gabriel, foram convencidas a cuspirem em um tubo esterilizado para terem seu genoma codificado.

Segundo os autores do estudo, a miopia é um problema muito complexo e suas causas ainda são pouco compreendidas. No artigo que descreve esse novo trabalho, publicado neste mês no periódico PLoS Genetics, eles afirmam que essa é a maior análise já feita sobre a associação entre o genoma e o problema – os resultados da pesquisa se basearam no DNA de mais de 50.000 clientes europeus da empresa 23andMe.

Leia também:

‘Mapear genoma será tão rotineiro quanto exame de raio-X’

Continua após a publicidade

A miopia ocorre quando o diâmetro do globo ocular de uma pessoa é maior do que normal – ou seja, maior do que aproximadamente 22 milímetros. Quanto maior essa medida, mais grave o problema. O míope enxerga bem de perto, mas tem dificuldades em enxergar objetos que estão longe.

Na pesquisa, os cientistas da 23andMe estudaram o genoma de 45.771 pessoas e buscaram associações genéticas relacionadas à presença de miopia. Ao todo, eles encontraram 20 fatores genéticos significativos para o desenvolvimento do problema, sendo que dez deles se confirmaram em uma nova análise feita em outros 8.323 participantes. Segundo o estudo, esses fatores genéticos estão relacionados, por exemplo, à remodelação do olho, ao crescimento dos olhos e ao desenvolvimento da retina.

Os pesquisadores afirmam que, embora a miopia também seja influenciada por fatores ambientais, como muito tempo de leitura e de exposição a telas de computador ou de televisão, a base genética do problema é complexa e afetada por vários genes. “Esse estudo destaca a provável importância do desenvolvimento neuronal precoce na progressão da miopia e abre portas para pesquisas futuras sobre as interações envolvidas nesse processo”, diz Nicholas Eriksson, que coordenou o estudo.

Conheça mais pesquisas da 23andMe:

Empresa de genoma identifica seis variações genéticas associadas à calvície precoce

Empresa de genoma identifica cinco genes associados ao hipotireoidismo

Estudo identifica relação entre tamanho da mama e câncer

Continua após a publicidade
Publicidade