Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Em mulheres, dor no peito não é suficiente para diagnosticar infarto

Segundo pesquisa, exames adicionais são necessários para confirmar o ataque cardíaco

Por Da Redação - 26 nov 2013, 16h26

Dor no peito é o sinal que mais costuma levar pessoas com suspeita de infarto ao hospital – nove entre dez vítimas de ataque cardíaco apresentam o sintoma. Mas entre as mulheres o quadro clínico pode ser um pouco diferente: esse desconforto não indica, necessariamente, infarto. É o que revela um estudo suíço publicado nesta segunda-feira no periódico JAMA Internal Medicine.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Sex-Specific Chest Pain Characteristics in the Early Diagnosis of Acute Myocardial Infarction

Onde foi divulgada: periódico JAMA Internal Medicine

Publicidade

Quem fez: Maria Rubini Gimenez, Miriam Reiter, Raphael Twerenbold, Tobias Reichlin, Karin Wildi, Philip Haaf, Katharina Wicki, Christa Zellweger, Rebeca Hoeller, Berit Moehring, Seoung Mann Sou, Mira Mueller, Kris Denhaerynck, Bernadette Meller, Fabio Stallone, Sarah Henseler, Stefano Bassetti, Nicolas Geigy, Stefan Osswald e Christian Mueller

Instituição: University Hospital Basel, na Suíça

Dados de amostragem: 800 mulheres e 1 700 homens com dores severas no peito

Resultado: Os pesquisadores chegaram à conclusão de que, ao contrário do que acontece com os homens, não é possível realizar um diagnóstico de infarto em mulheres com base em características da dor no peito da paciente

Publicidade

Segundo os pesquisadores, em mulheres, não é possível diferenciar a dor no peito decorrente do infarto daquela originada por problemas como ansiedade ou refluxo gastrointestinal. Para fechar o diagnóstico, são necessários exames a exemplo do eletrocardiograma, que mede a atividade cardíaca, e o de sangue, à procura de troponinas, proteínas liberadas na corrente sanguínea quando o músculo cardíaco sofre dano. Além disso, deve-se verificar a presença de outros sintomas associados a infartos, como náuseas, vômitos e dores nas costas, no pescoço e na mandíbula.

Pesquisa – Para o trabalho, os cientistas reuniram 800 mulheres e 1 700 homens que chegaram ao hospital com dores severas no peito. Apenas 18% delas e 22% deles estavam realmente tendo um infarto. Nos homens, porém, ao contrário do que aconteceu com as mulheres, foi possível realizar o diagnóstico apenas com base nas características das dores, sem a necessidade de exames adicionais.

Os pesquisadores deixam claro que, mesmo assim, as mulheres não devem ignorar o sintoma. A recomendação médica ao sentir dor no peito continua sendo a de procurar um hospital o mais rápido possível.

Leia também:

Publicidade

Pessoas casadas correm menor risco de infarto, diz estudo

Exame de sangue pode prever risco de infarto após cirurgia

Publicidade