Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em Madri, estado de saúde de enfermeira com ebola piora

Teresa Romero, de 44 anos, está internada em isolamento desde segunda-feira, quando o diagnóstico da doença foi confirmado

Por Da Redação 9 out 2014, 15h58

O estado de saúde da enfermeira que contraiu ebola em Madri se agravou. “Ela piorou, mas não posso falar mais nada”, disse nesta quinta-feira Yolanda Fuentes, subdiretora do Hospital Carlos III, onde a paciente está internada. De acordo com Yolanda, a enfermeira pediu que outras informações sobre o seu estado clínico não fossem divulgadas.

A espanhola Teresa Romero, de 44 anos, foi a primeira pessoa infectada pelo vírus fora da África. Ela integrou a equipe que tratou, no Hospital Carlos III, de dois pacientes que contraíram ebola durante trabalho missionário na Libéria e em Serra Leoa. No dia 26 de setembro, a enfermeira saiu de férias e, dois dias depois, começou a se sentir mal. Ela procurou o hospital somente nesta segunda-feira, quando o diagnóstico da doença foi confirmado. Desde então, está internada em isolamento.

Leia também:

Morre o primeiro paciente diagnosticado com ebola nos EUA

Surgimento de mais casos de ebola na Europa é ‘inevitável’, diz OMS

Como Teresa passou seis dias com sintomas do ebola antes de ser hospitalizada, as autoridades de saúde da Espanha estão monitorando pessoas que podem ter tido contato com a enfermeira nesse período, que é quando o vírus pode ser transmitido.

Dois médicos e duas enfermeiras que ajudaram no tratamento de Teresa, além do marido da paciente, estão em quarentena por precaução. No entanto, nenhum deles apresentou o sintoma da doença até agora. O cão de Teresa foi sacrificado nesta quarta-feira porque existe uma possibilidade de o animal poder transmitir o vírus do ebola a seres humanos.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade