Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Doses de sensatez: a bem-vinda safra de vacinas contra diversas doenças

Há uma leva de substâncias em lançamento ou fase final de ensaios clínicos - e elas parecem celebrar a vitória do conhecimento sobre a ignorância

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 17 mar 2023, 10h30 - Publicado em 17 mar 2023, 06h00

Ao longo dos últimos três anos, desde a eclosão da pandemia de Covid-19, o mundo viveu uma gangorra incômoda — aos extraordinários e rapidíssimos saltos da ciência para o desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus somou-se um movimento contrário, de negacionistas incapazes de enxergar a relevância da imunização, transformando a medicina em ideologia. Felizmente, a sensatez venceu. Cerca de 64% da população global recebeu ao menos duas doses de imunizantes — um dado muito bom, embora ainda distante dos 70% estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o patamar ideal. “A humanidade nunca se uniu tanto para pensar em uma vacina, mas tivemos uma infodemia, a pandemia de desinformação”, diz Isabella Ballalai, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações. “Houve, como decorrência, mais interesse, mas também mais medo.”

A imunização, conquista da civilização, era para ser tratada como evento corriqueiro — e assim era até que a atual pandemia coincidisse com a polarização política global. E então, como resposta a quem fecha os olhos para os saltos dados em laboratório, a divulgação de novas substâncias protetoras passaram a ser celebradas com merecido estardalhaço. É como se houvesse uma revolta da vacina.

PROTEÇÃO - Combate ao HPV: a nova versão atua em nove subtipos do vírus
PROTEÇÃO - Combate ao HPV: a nova versão atua em nove subtipos do vírus (Rodrigo Nunes/MS/.)

Há uma leva de substâncias em lançamento ou fase final de ensaios clínicos. No Brasil, nas últimas duas semanas, ocorreu a aprovação da vacina da farmacêutica japonesa Takeda contra a dengue para amplo público e a versão mais potente contra o HPV, o papilomavírus humano, relacionado a casos de câncer de colo de útero, garganta e ânus, além da de gripe para pessoas com mais de 60 anos. O Instituto Butantan busca mais proteção para Influenza A e B. Em breve, serão anunciadas doses para chicungunha (veja detalhes no quadro abaixo). A vasta cartela de imunizantes é indício de haver uma engrenagem em andamento. Ela é fundamental, ao alimentar as campanhas de vacinação.

Continua após a publicidade

Houve, nos últimos dez anos, uma queda da cobertura vacinal, o índice que mede a porcentagem da população devidamente protegida. É fenômeno que chegou também ao Brasil, infelizmente, e precisa ser revertido com urgência. Em 2022, depois de tanta grita, deu-se alguma melhora nos índices de alcance, após considerável recuo. Desde 1973, com a criação do Programa Nacional de Imunizações (PNI), o país ganhou respeito internacional ao atingir metas alvissareiras de vacinação, a ponto de ter conseguido erradicar a poliomielite, a rubéola congênita e o sarampo. Hoje, a título de exemplo, 76% da população tem no organismo defesas contra a pólio — em 2013, 100% estava vacinada (acompanhe a curva de outras vacinas no quadro). As picadinhas e as gotas — sabem as famílias de todas as classes sociais — fazem parte do cotidiano dos brasileiros, como a terça-feira gorda de Carnaval, a noite de São João e a família reunida no Natal. De geração em geração, a ida ao posto de saúde virou hábito atrelado ao choro infantil que é sinônimo de bem-estar. Não deveria, portanto, ser notícia. Mas é, e cabe agora incentivar com vigor a retomada.

O VÍRUS DA ESTUPIDEZ - Manifestação de anti-vaxxers na Inglaterra, em 2022: contaminação política da Covid-19
O VÍRUS DA ESTUPIDEZ - Manifestação de anti-vaxxers na Inglaterra, em 2022: contaminação política da Covid-19 (Martin Pope/Getty Images)

É um desafio, por exemplo, fazer com que os pais levem seus pré-adolescentes para receber as doses de vacina contra o HPV. Em 2019, 87% das meninas de 9 a 14 anos de idade receberam a primeira dose da vacina. No ano passado, caiu para 76%. Entre os meninos, o índice despencou de 61% para 52% nesse período. É preocupante, sobretudo porque a vacina é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS. Na lida com a defasagem — o ideal é que a adesão seja de 95% — é relevante também o apoio da iniciativa privada. Na semana passada, a farmacêutica americana MSD pôs na rede particular, em clínicas, a Gardasil-9, opção turbinada do imunizante contra o HPV, que protege de nove subtipos do vírus. “O Brasil tem história, estrutura e confiança para aumentar a vacinação”, disse a VEJA Rob Davis, CEO global da companhia, que esteve no país para o lançamento e a inauguração do Museu da Vacina, dentro do Butantan, em São Paulo.

arte vacina

Continua após a publicidade

A existência de um museu, aliás, é outra evidência da relevância de entender como chegamos até aqui, em avanços extraordinários, apesar dos percalços. Houve tropeções recentes como as manifestações de anti-­vaxxers que proliferaram na Europa, especialmente na Inglaterra e na França, e nos Estados Unidos na temporada de Donald Trump na Casa Branca. É crucial também relembrar um episódio como a Revolta da Vacina, em 1904, no Rio, em cinco dias de fúria contra a imunização obrigatória para combater a varíola e a entrada de profissionais de saúde nas casas para eliminar focos de Aedes aegypti.

TURBA RAIVOSA - Protestos no Rio, em 1904: atos violentos contra a ciência
TURBA RAIVOSA - Protestos no Rio, em 1904: atos violentos contra a ciência (./Reprodução)

O vaivém no tempo, entre o desdém feito de estultices e a celebração do conhecimento, ilumina uma certeza — a importância da vacina para a humanidade. A OMS estima que a imunização evite 3 milhões de mortes ao ano. “A vacinação está entre os grandes recursos para evitar mortes, ao lado do saneamento básico e da oferta de água potável”, diz Claudia Cavalcante França Valente, da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. É por isso que os pesquisadores não se abatem. É o caso de sempre lembrar de uma conhecida frase do sanitarista e epidemiologista Oswaldo Cruz, o cientista convocado pelo presidente Rodrigues Alves no início do século XX para dar conta das doenças na então Capital Federal: “O saber contra a ignorância, a saúde contra a doença, a vida contra a morte… Mil reflexos da batalha permanente em que todos estamos envolvidos”.

Publicado em VEJA de 22 de março de 2023, edição nº 2833

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.