Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pausa nos testes não interferiu no andamento da vacina, diz Dimas Covas

Diretor do Butantan afirma que 'dois dias' de interrupção não vão afetar cronograma; ainda faltam 2.000 voluntários para os 13.000 previstos para os ensaios

Por Giulia Vidale Atualizado em 12 nov 2020, 18h41 - Publicado em 12 nov 2020, 15h26

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou nesta quinta-feira, 12, que a breve paralisação do estudo fase 3 da vacina CoronaVac não interferiu no cronograma do imunizante. “Dois dias não vão interferir no andamento da vacinação”, disse Covas em entrevista coletiva realizada pelo governo do estado de São Paulo.

Por outro lado, ele acredita que é necessário avançar mais rápido nos ensaios clínicos. “Acho que agora estamos no momento de realmente acelerar nesse estudo para obter os resultados o mais rápido possível e poder salvar vidas no ano que vem”, disse o diretor do Butantan. Faltam pouco mais de 2.000 voluntários para totalizar os 13.000 previstos no protocolo de estudo que tem como objetivo atestar a segurança e eficácia da vacina contra o novo coronavírus.

“Os estudos estão andando muito bem. Em três meses nós tivemos mais de 18.000 vacinações. Nós vacinamos mais de 6.000 [voluntários] ao mês. Isso é o maior estudo em andamento no Brasil e o que eu disse como acelerar, é após essa interrupção. Nós paramos dois dias e agora precisamos voltar a acelerar para ganhar de novo velocidade”, complementou Covas.

O estudo da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa SinoVac LifeSciences, foi suspenso na segunda-feira 9 pela Anvisa após a morte de um voluntário. Na quarta-feira 11, a agência liberou a retomada dos testes após esclarecimentos do caso pelo Instituto Butantan e da constatação que o evento não estava associado ao imunizante.

Nesta quinta-feira, 12, o Brasil registrou uma média móvel de 23.866,3 novos casos e 356,9 óbitos por Covid-19. Estes números dizem respeito à média móvel semanal. O cálculo considera os dados dos últimos sete dias somados e divididos por sete. Deste modo é possível avaliar o avanço ou desaceleração da pandemia pois atenua-se os atrasos de notificações naturais aos finais de semana e feriados.

Continua após a publicidade
Publicidade