Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dinamarqueses poderão optar pela vacina de Oxford e ‘furar fila’

Após decidir retirar o imunizante do programa nacional de vacinação, governo liberou a aplicação das doses da AstraZeneca e da Janssen pelo setor privado

Por Matheus Deccache Atualizado em 21 Maio 2021, 19h02 - Publicado em 21 Maio 2021, 16h50

Cidadãos dinamarqueses poderão se imunizar voluntariamente com as vacinas de Oxford-AstraZeneca ou da Johnson & Johnson em clínicas no setor privado. A Dinamarca foi o primeiro país a retirar estes imunizantes de seu programa nacional de vacinação devido à sua associação com eventos adversos graves. Mas, na quinta-feira, 21, o governo dinamarquês anunciou que pessoas interessadas poderão receber essas doses gratuitamente. 

Atualmente, o país está imunizando quem tem 55 anos ou mais com as vacinas da Pfizer-BioNTech e da Moderna. Sendo assim, pessoas mais jovens, que estão no fim do cronograma da campanha nacional de imunização poderão “furar a fila” e se vacinar mais rapidamente se optarem pela vacina de Oxford ou da Johnson. A vacinação continuará gratuita, mas será preciso fazer uma consulta médica e assinar um termo de consentimento se declarando ciente dos riscos associados a estes imunizantes.

Segundo a imprensa local, em apenas um dia, mais de 20.000 pessoas se inscreveram para receber as injeções. Até esta sexta-feira, 21, a Dinamarca aplicou 2,8 milhões de doses. Segundo dados da Bloomberg, 30,2% dos habitantes do país estão parcialmente imunizados com uma dose e 19,4% já completaram o esquema de vacinação.

LEIA TAMBÉM: Vacina da AstraZeneca: da suspensão em grávidas ao futuro do imunizante

As vacinas da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, e de Oxford-AstraZeneca, foram associadas a casos raros de acidentes vasculares cerebrais e trombose. Um estudo realizado pela Dinamarca em conjunto com a Noruega, outro país que também suspendeu a aplicação destas vacinas, mostrou que apenas um a cada 40.000 vacinados com a vacina da AstraZeneca apresentaram os efeitos colaterais. Mesmo assim, os dinamarqueses optaram por suspender a aplicação da vacina em março e retira-la oficialmente do programa de vacinação em abril. 

Ambos os imunizantes foram aprovados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês). De acordo com o Centro Europeu de Controle de Doenças (ECDC), a Dinamarca possui cerca de 50.000 doses de Oxford-AstraZeneca em seu estoque e estaria disposta a doar essas vacinas para o estado alemão vizinho. Além disso, outros países europeus demonstraram interesse em adquirir essas doses. Além da Dinamarca, apenas Noruega e Áustria suspenderam as vacinações da farmacêutica anglo-sueca. 

Com a imunização atrasada por causa das proibições, os dinamarqueses montaram um forte esquema de vacinação em massa para se tornar um dos primeiros países europeus a retomar totalmente as suas atividades. Atualmente apenas casas noturnas seguem fechadas. Empresas privadas ouvidas pela imprensa nacional afirmaram ainda não saber o total a ser recebido pelo serviço.  

Continua após a publicidade

Publicidade