Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dieta mediterrânea faz bem ao cérebro

Novo estudo revela que esse tipo de alimentação pode trazer benefícios para funções cognitivas e memória

Por Carolina Melo Atualizado em 24 Maio 2016, 16h28 - Publicado em 12 Maio 2015, 14h18

Não é novidade que a dieta mediterrânea faz bem. Desde a década de 80, inúmeras pesquisas comprovam seus efeitos positivos para a saúde, como a capacidade de prevenir contra diabetes, colesterol ruim e câncer. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Hospital Clinic, em Barcelona, porém, mostrou que os benefícios do estilo alimentar vai além. O trabalho, publicado nesta semana na revista científica The Journal of American Medical Association (Jama), revelou que a dieta também pode ser benéfica para o cérebro, melhorando funções cognitivas e prevenindo contra a perda de memória.

Durante o experimento, 447 homens e mulheres, com idade entre 55 e 80 anos, tiveram de adotar novos hábitos alimentares durante quatro ano. Um primeiro grupo seguiu a dieta mediterrânea utilizando um litro de azeite de oliva por semana. Um segundo grupo adotou o mesmo tipo de dieta, mas utilizando outro alimento – 30 gramas de nozes por dia. Um último grupo seguiu uma dieta com baixo teor de gordura. Todas as pessoas eram saudáveis, mas com histórico familiar de problemas cardíacos na família.

LEIA TAMBÉM:

Conheça a dieta que deixou Beyoncé em forma para o baile de gala do MET

Nova dieta Dukan chega ao Brasil

O estudo analisou o efeito da alimentação de cada grupo ao pedir para que todos eles realizassem testes cognitivos. Os dois grupos que adotaram a dieta mediterrânea tiveram melhor desempenho nas atividades em comparação ao grupo que fez uma dieta com baixo teor de gordura. Aqueles que consumiram mais azeite de oliva tiveram mais sucesso nos testes de memória e os que se alimentaram de nozes apresentaram resultados positivos nas funções executivas do cérebro, como planejamento de atividades complexas. Em contrapartida, o grupo que não adotou a dieta mediterrânea mostrou enfraquecimento em algumas medidas cognitivas.

Composta por alimentos típicos das regiões banhadas pelo mar mediterrâneo (sul da Europa, norte da África e sudoeste da Ásia), a dieta tem o azeite como principal fonte de gordura e é rica em alimentos de origem vegetal, como pão, massas, hortaliças, legumes e fruta fresca. Diz o nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração, em São Paulo: “Essa dieta faz parte do estilo de vida mediterrâneo, que não incorpora somente os hábitos alimentares, mas uma rotina menos agitada, na qual as refeições são realizadas em um ritmo mais lento”. Além disso, é comum que essas pessoas realizem exercícios físicos moderados diariamente, como uma caminhada com duração de 30 minutos. Não resta a menor dúvida de que o estilo mediterrâneo faça bem à saúde.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês