Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Covid-19: taxa de letalidade no país cai pela metade em três meses

Aumento do número de testes e melhora na capacidade de tratamento dos casos mais graves estão entre os principais motivos

Por Da redação
Atualizado em 3 ago 2020, 20h27 - Publicado em 3 ago 2020, 18h31

A taxa de letalidade da Covid-19 no Brasil caiu de 6,9% em 3 de maio para 3,4% nesta segunda-feira, 3. Nos últimos meses, o índice já vinha sendo reduzido constantemente, com 5,5% em 3 de junho e 4,1% em 3 de julho. As razões para essa queda incluem o aumento da testagem e a melhora na capacidade de tratamento dos casos mais graves.

O índice brasileiro é melhor que o mundial, que hoje está em 3,8%, e ao de países da Europa como Alemanha (4,3%), Suécia (7,1%), Itália (14,2%), Espanha (9,9%). Por outro lado, é superior ao da Índia (2,1%) e Estados Unidos (3,3%), de acordo com informações do Our World in Data. Na Nova Zelândia, exemplo no combate à doença, a taxa de letalidade é de 1,8%.

ASSINE VEJA

Os 10 fazendeiros que mais desmatam a Amazônia Leia em VEJA: Levantamento exclusivo revela os campeões da destruição. Mais: as mudanças do cotidiano na vida pós-pandemia ()
Clique e Assine

O índice é calculado pelo número de óbitos em comparação com a quantidade de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus. Para a nova estimativa, a agência considera também os casos subnotificados, devido à grande quantidade de pessoas assintomáticas ou que apresentam apenas sintomas leves da doença e não chegam a ser diagnosticadas.

LEIA TAMBÉM: Inteligência artificial ajuda a flagrar a Covid-19 e prever complicações

A Organização Mundial da Saúde (OMS), no entanto, acredita em número mundial ainda mais baixo que os 3,8% oficiais: 0.6%. Apesar do avanço significativo dos últimos meses, o dado ainda é considerada “muito alto”. A título de comparação, a taxa de letalidade da pandemia de H1N1, em 2009, foi de 0,01%. “O coronavírus é mais mortal e isso indica que é preciso evitar se contaminar. É o principal. Embora os sintomas em alguns não sejam graves, é preciso evitar transmitir a doença para outros. É muito importante ter solidariedade conjunta”, disse Mike Ryan, diretor-executivo para Emergências da OMS.

Atualmente, o Brasil tem 2.750.153 casos e 94.660 mortos registrados pela doença. Nesta segunda-feira, 3, a média móvel de novas notificações da doença foi de 43.968,3 e a de novos óbitos de 1.006. A média móvel semanal é calculada a partir da soma do número de casos e mortes nos últimos sete dias, dividida por sete, número de dias do período contabilizado – o que permite uma melhor avaliação ao anular variações diárias no registro e envio de dados pelos órgãos públicos de saúde, problema que ocorre principalmente aos finais de semana.

Com Agência EFE 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.