Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Covid-19: Brasil tem menor taxa de transmissão desde abril

Dados da Imperial College mostram que o índice no país caiu para 0,9, o que indica que a pandemia pode ter entrado em fase de desaceleração

Por Da Redação Atualizado em 18 set 2020, 08h23 - Publicado em 17 set 2020, 18h31

Esta semana, o Brasil voltou a reduzir a taxa de contágio do novo coronavírus e atingiu o menor nível desde o início da medição pela Universidade Imperial College de Londres, em abril: 0,9. É a segunda vez que o país alcança um índice menor do que 1, indicando que a pandemia perdeu força e entrou em desaceleração. Desde 16 de agosto, semanalmente, a taxa do país tem oscilado entre um pouco abaixo e um pouco acima de 1.

ASSINE VEJA

Covid-19 no Brasil: o pior já passou Leia nesta edição: Queda na curva de mortes mostra sinais de alívio na pandemia. E mais: por que o futuro político de Lula está nas mãos de Bolsonaro
Clique e Assine

O índice, também chamado de Rt, mostra para quantas pessoas cada infectado transmite o vírus. A taxa calculada nesta semana indica que cada 100 pessoas contaminadas transmitem o coronavírus para outras 90,  em uma progressão decrescente. O dado reforça a tendência de queda nas curvas da Covid-19 no Brasil. Embora na classificação da universidade o país ainda esteja no patamar entre estável e crescimento lento.

A taxa brasileira é menor que a de países como Chile (0,96), Paraguai (0,97), Itália (0,98), Grécia (0,99), Alemanha (1,02), México (1,05), Rússia (1,05), Índia (1,1), Argentina (1,11), Portugal (1,24), Reino Unido (1,27), Canadá (1,32) e França (2,04). Por outro lado, é superior à da Austrália (0,42), Bélgica (0,63), Espanha (0,68), Peru (0,83) e Colômbia (0,86). A análise contém dados de 72 países com transmissão ativa do coronavírus.

Atualmente, o Brasil tem 4.455.386 casos e 134.935 mortos registrados pela doença. Nesta quinta-feira, 17, a média móvel de novas notificações da doença foi de 30.991,4 e a de novos óbitos de 773,3. A média móvel semanal é calculada a partir da soma do número de casos e mortes nos últimos sete dias, dividida por sete, número de dias do período contabilizado – o que permite uma melhor avaliação ao anular variações diárias no registro e envio de dados pelos órgãos públicos de saúde, problema que ocorre principalmente aos finais de semana.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês