Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus pode causar diabetes em pessoas saudáveis, diz estudo

Artigo da publicação científica 'New England Journal of Medicine' defende que há uma relação entre a Covid-19 e o aparecimento da doença

Por Da Redação - Atualizado em 15 jun 2020, 18h33 - Publicado em 15 jun 2020, 18h24

Um estudo divulgado pela renomada publicação científica New England Journal of Medicine, dos Estados Unidos, sugere que o novo coronavírus pode deflagrar um quadro de diabetes em pacientes saudáveis e piorar a condição de quem tinha um quadro inicial da doença. Os pesquisadores acreditam que existe uma relação “bidimensional” entre a Covid-19 e a diabetes.

Isso pode acontecer pela forma que o vírus se liga ao corpo humano, através da enzima ECA-2 (enzima conversora da angiotensina 2), que funciona como a porta de entrada para as células. Ela está presente em grande quantidade nos principais órgãos e tecidos metabólicos responsáveis pela regulação da glicose – como pâncreas, rins, intestino delgado, fígado e tecido adiposo – e a suspeita é que a Covid-19 “pode complicar a fisiopatologia da diabetes pré-existente ou levar a novos mecanismos da doença”, diz o estudo.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Vários estudos já haviam feito uma correlação entre a piora dos quadros da Covid-19 para pacientes com diabetes pré-existente. Os relatórios de óbitos em todo mundo mostram que quase cerca de um quarto das vítimas sofria da comorbidade. A nova pesquisa alega que as observações feitas dão suporte para a hipótese de um potencial efeito para o aparecimento da diabetes em pacientes com a Covid-19.

A busca agora é para entender melhor como esse processo acontece. Os pesquisadores têm algumas dúvidas, como qual tipo de diabetes aparece com mais frequência, ou se a Covid-19 altera a fisiopatologia da doença em pacientes que já tinham a comorbidade. As respostas para essas perguntas são necessárias para saber qual é o acompanhamento clínico ideal para cada caso.

Publicidade