Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: número de mortes tem queda de 2% em relação à última terça

Brasil atingiu nesta terça-feira, 7, a marca de 1.668.589 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e 66.741 óbitos

Por Da Redação - Atualizado em 7 jul 2020, 19h10 - Publicado em 7 jul 2020, 18h48

De acordo com dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Brasil atingiu nesta terça-feira, 7, a marca de 1.668.589 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e 66.741 óbitos em decorrência da doença. Apenas nas últimas 24 horas, foram 45.305 novos diagnósticos positivos e 1.254 mortes.

O país registrou uma redução de 2% no número de óbitos e aumento de 33,9% no de infecções em relação à última terça-feira, 30. Neste dia, o painel do governo apontava para 33.846 novos registros e 1280 novos óbitos.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

A incidência de Covid-19 em todo o país é de 794 pessoas a cada 100 mil habitantes, com taxa de mortalidade de 31,8 por 100 mil habitantes. Entre os infectados, a letalidade é de 4%.

Até agora, São Paulo é o estado com mais casos registrados (332.708), seguido por Ceará (124.952) e Rio de Janeiro (124.086).

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM
Especialistas dão notas sobre a resposta do Brasil ao coronavírus

Presidente está entre os infectados

Um dos diagnósticos de coronavírus conhecidos nesta terça-feira foi o do presidente da República, Jair Bolsonaro. O político realizou exames após detectar sinais tradicionais da doença (como febre e indisposição) desde a noite de domingo. O presidente afirmou hoje que sente-se bem e que não apresenta mais os sintomas iniciais.

Pessoas com a idade de Jair Bolsonaro, que tem 65 anos, correm mais riscos de desenvolver quadros severos da Covid-19 em comparação com pacientes de idade inferior a 60 anos. O fator de risco, no entanto, não é necessariamente um sinônimo de que ele vá desenvolver complicações de saúde e é possível que o presidente passe pela infecção sem qualquer reação mais grave.

Publicidade