Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

CoronaVac: SP diz que eficácia será de ao menos 50%, mas adia anúncio

O índice preciso, contudo, não será divulgado nesta quarta-feira, 23, pelo governo paulista, como estava previsto

Por Edoardo Ghirotto, Mariana Rosário Atualizado em 8 fev 2021, 14h36 - Publicado em 23 dez 2020, 16h00

A CoronaVac, imunizante contra Covid-19 no centro da “guerra da vacina” entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o governador João Doria (PSDB-SP), tem eficácia superior a 50% e terá o registro pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), diz o governo do estado de São Paulo.

O índice preciso, contudo, não será divulgado nesta quarta-feira, 23, pelo governo paulista, como estava previsto. O atraso, disseram representantes do governo, ocorreu por conta de um pedido da Sinovac, que quer unificar os dados de outras localidades onde a vacina foi testada com as informações obtidas no estudo brasileiro. A previsão é que os dados sejam apresentados em 15 dias. O governo mantém 25 de janeiro como data prevista para início da vacinação.

A reportagem de VEJA apurou que está mantida uma reunião com os técnicos da Anvisa. O encontro ocorrerá simultaneamente à coletiva de imprensa no Instituto Butantan.

Em fala à imprensa, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, ressaltou o caráter seguro do imunizante, afirmando que o efeito colateral mais comum foi dor no local da aplicação.

A taxa de 50% corresponde ao mínimo exigido pela Anvisa para conceder o aval para uso do imunizante no país. O medicamento é desenvolvido pela farmacêutica chinesa Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo.

O laboratório paulista é responsável por processar e envasar o medicamento em solo brasileiro. A previsão do governo estadual é que 10,8 milhões de doses estejam em posse do centro de referência em imunizantes brasileiro até 31 de dezembro.

Na segunda-feira, 21, a fábrica da Sinovac recebeu o certificado de boas práticas de fabricação concedido pela Anvisa. O documento é fundamental para o uso da vacina no Brasil.

Nesta quarta-feira ,23, o Brasil teve médias móveis em 783,6 mortes e 46.415,6 casos

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)